Carolina Dieckmann: Google diz que não interfere nos resultados da busca

Carolina Dieckmann deixa a Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI), após prestar depoimento Foto: Paulo Nicolella / O Globo

RIO – O Google Brasil informou, por meio de nota, que não exerce nenhum tipo de interferência em seus resultados de buscas. Mais cedo, o advogado da atriz Carolina Dieckmann, Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, informou que não vai entrar com ação inibitória na Justiça contra o site Google pela exibição das fotos em que Carolina aparece nua. Segundo ele, técnicos que trabalham em seu escritório constataram, na manhã desta quarta-feira, que o site retirou as imagens da atriz do sistema de busca.

“O Google vem a público esclarecer que nao interfere em seus resultados de busca. O mecanismo de busca do Google é um indexador, ou seja, uma ferramenta que procura conteúdos disponíveis na internet. Para que um conteúdo não apareça na busca do Google, é necessário entrar em contato com o site que hospeda esse conteúdo e solicitar sua remoção”, diz a nota enviada pelo Google ao site G1.

— A informação técnica que eu tenho é que houve sim uma ação do Google no sentido de atender esse pleito de não expor a intimidade da atriz. Evidentemente, com essa atitude fica demonstrada a boa vontade e a postura responsável da empresa. Em função disso, não vou entrar com a ação, que já estava pronta. Isso é bom para evitar a sobrecarga do Judiciário com esse tipo de questão — afirmou Kakay, ao site G1.

Ainda de acordo com o G1, o advogado da atriz explicou que a maior parte das imagens foi retirada do mecanismo de buscas do Google. Uma pesquisa realizada no site, por volta das 12h30m, contatou que algumas imagens permaneciam disponíveis. Kakay informou ainda que vai se reunir com o advogado do Google na tarde desta quarta-feira.

— O acesso imediato já foi retirado, mas as chamadas mídias sem rosto, que são aquelas que muitas vezes você não consegue identificar os responsáveis pelas páginas, ainda continuam — disse o delegado.

O advogado da atriz tinha anunciado na terça-feira que iria entrar com uma ação contra o Google para que o site retirasse do ar buscas relacionadas às 36 fotos dela.

O ex-policial militar e comentarista de segurança pública da Rede Globo, Rodrigo Pimentel, chegou a orientar o empresário de Carolina, Alex Lerner, a registrar um boletim de ocorrência contra o homem que chantageava a atriz. Lerner o procurou quando recebia telefonemas pedindo o pagamento de R$ 10 mil. Segundo o ex-policial, agentes da Polinter informaram Lerner e Carolina de que era possível prender o homem na hora do pagamento da propina. Para isso, no entanto, seria necessário registrar o crime de extorsão em qualquer delegacia ou na própria Polinter. A atriz e o empresário não quiseram realizar o registro.

Na segunda-feira, o computador pessoal de Carolina foi enviado ao Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE) para ser periciado. Segundo informações da DRCI, há equipes nas ruas para tentar identificar possíveis suspeitos de terem divulgado fotos da atriz nua em sites, após tentativas de extorsão (por e-mail e telefone) para evitar a divulgação. Dois representantes da empresa de manutenção de computadores para onde a atriz levou seu equipamento foram ouvidos na noite de segunda-feira, na DRCI. Também prestaram depoimentos o empresário e o secretário da atriz. Kakay.

 

 

EXTRA

 

Comente com Facebook