Como produzir mais durante o dia?

Pesquisa revela como os jovens buscam aumentar o rendimento cotidiano.

A produtividade foi – e é – um tópico de suma relevância em vários contextos da vida. No ambiente profissional, esse tema ganha ainda mais força. Afinal, por muitas vezes, é a capacidade de entrega de um indivíduo sua principal aposta para oferecer bom desempenho para o negócio. Justamente por isso, o Nube – Núcleo Brasileiro de Estágios fez uma pesquisa e perguntou: “como você faz para produzir mais durante o dia?”. O estudo, realizado entre 20 e 31 de julho, foi direcionado a pessoas entre 15 e 29 anos e apontou uma preocupação dos mais novos com o corpo e a mente.

Com cerca de 22.498 participantes, 43,2% deles (ou 9.726) apontaram uma boa noite de sono e atividades físicas como grandes aliadas na hora de apresentar resultados. Para a analista de treinamento do Nube, Thatiane Reis Rogai, a atenção com esses tópicos pode garantir mais energia, foco e empenho cognitivo. “Se alguém possui bons hábitos, poderá ter uma performance significativa, afinal, ficará fácil se concentrar nas tarefas. Outro ponto é o aumento da tolerância ao estresse, ou seja, com a sensação de bem-estar ativada, o indivíduo encontrará maior satisfação ao empenhar suas obrigações”, explica.

Cronograma realista e evitar redes sociais

Outros 34,76% (7.820) recorrem à organização de uma lista de funções logo pela manhã. Para a especialista, a habilidade de ser regrado é muito importante em todos os aspectos da vida. “Planejar é um dos valores de pessoas ordenadas e isso pode impulsionar seus esforços. É vital desmembrar uma incumbência em pequenos passos e, então, definir horários para executá-los. Deve-se estar atento a criar um cronograma realista, pois montar uma agenda com tópicos difíceis de serem cumpridos poderá trazer a desmotivação”, expõe. Portanto, a orientação é dividir os afazeres pelo nível de prioridade, além de refletir sobre quais delas podem ser delegadas ou realizadas em equipe.

Já 11,65% (2.622) evitam usar as redes sociais e falar ao telefone. Para esses, Thatiane indica: “um passo crucial é entender a necessidade de encontrar ambientes adequados para realizar suas ocupações. Por exemplo, o cérebro percebe a cama como um lugar para dormir. Com isso, lidar com os compromissos deitado nela não será uma boa ideia”, alerta. Segundo a analista, o celular é um ótimo aliado na rotina, então mantê-lo longe pode não funcionar. “Existem algumas alternativas para quem precisa manter o aparelho por perto, como limitar o uso por conta própria ou gerenciar as configurações do dispositivo com limites diários para os apps ou um aviso de quanto tempo você já os utilizou. Outra possibilidade é desativar as notificações durante o período de trabalho, estágio ou estudos para diminuir a necessidade de olhar a cada mensagem”, compartilha.

Equilíbrio entre responsabilidades e prazeres

De acordo com 8,69% (1.955), o segredo é ter uma alimentação balanceada. “Para o bom funcionamento do corpo e da mente, além da escolha de comidas saudáveis, naturais e menos processadas ou industrializadas, estabelecer horários para as refeições contribui consideravelmente para o organismo. Os fast foods não estão proibidos, mas estabeleça regras conscientes para a sua inserção no cotidiano”, sugere Thatiane.

Por fim, 1,67% (375) compram vitaminas e nutrientes em farmácias. “Contar com a ajuda de um profissional para entender quando esses suplementos deverão ser inseridos é fundamental. Busque o auxílio de especialistas para entender as demandas reais de seu corpo”, aponta.

Para quem ainda tem dúvidas sobre como melhorar a performance, Thatiane dá algumas dicas. “Estabeleça uma rotina, faça um check list com suas atividades bem definidas. O ideal, também, é ter boas horas de descanso e momentos definidos para os estudos e o trabalho. A orientação vai além do contexto organizacional. É necessário pensar em uma rotina agradável, com equilíbrio entre responsabilidades e prazeres. Afinal, os momentos de relaxamento são extremamente rentáveis, pois fornecem energia necessária para quando o esforço cognitivo e físico forem exigidos”, comenta.

De acordo com a analista, é importante lembrar: “a saúde é a maior aliada da produtividade. Portanto, devemos pensar em bem-estar também na ausência de doenças e refletir sobre nossos hábitos. Além disso, se questione como é possível mudar os costumes para uma trajetória mais saudável”, conclui.

Fonte: Thatiane Reis Rogai, analista de treinamento do Nube

Comente com Facebook