Formar novos empresários vira meta da CampusParty

Principal evento de inovação digital do país, a Campus Party, que começou ontem em São Paulo, também mira a formação de novos empresários de tecnologia.

Na pauta, palestras sobre empreendedorismo, concursos para desenvolvimento de aplicativos que podem gerar empresas e também apresentação de planos de negócios.

Entre as ações programadas para o evento, o Sebrae inclui games interativos e um concurso com três equipes para competir para a abertura de sua empresa. Os grupos terão palestras de consultores e empresários.

“Muitos empreendedores digitais têm criatividade de sobra, mas sem conhecimento de gestão”, diz Luiz Barretto, presidente do Sebrae. Quem vencer o reality show de empreendedorismo terá um ano de consultoria grátis para montar uma empresa.

Em empreendedorismo criativo, a Telefônica/Vivo fará dois concursos. Um deles, o Hackaton, vai premiar desenvolvedores profissionais e amadores de aplicativos móveis de educação, sustentabilidade e esportes para iPhone, celulares com sistema operacional Android e que rodam linguagem Java.

Os participantes vão usar a Bluevia, plataforma mundial do grupo Telefónica. A premiação é de R$ 1.500 — categoria amadora– até R$ 5.500 para os profissionais, além de tablets, celulares e ingresso para jogos.

Depois de prontos, os aplicativos podem ser vendidos na loja da operadora e os desenvolvedores ficam com 70% da receita. Se o aplicativo gerar tráfego –com funções atreladas ao envio de mensagens de texto, por exemplo–, poderão receber pelo movimento a mais.

Em outro concurso, o Wayra, a operadora vai selecionar empreendedores que deem sugestões de negócios ou aplicativos tecnológicos. O vencedor, que será conhecido no fim da semana, será selecionado para uma nova etapa de competição com empresas iniciantes para fazer parte da academia de empreendedorismo da Telefônica/Vivo, que prevê investimentos de até US$ 70 mil (R$ 121 mil) em novos negócios.

“A ideia é apoiar a inovação e a retenção dos talentos no país”, diz Pablo Larriex, diretor do Centro de Inovação da Telefônica/Vivo.

IDEIA VIRA EMPRESA

O carioca Rafael Peixoto, 35, foi um dos empresários “gerados” na Campus Party do ano passado. Com o sócio Cadu Fonseca, 30, fizeram em 2011 uma ação do Banco do Brasil em que vestiram os “campuseiros” com roupões com o logotipo do banco.

A ideia virou empresa, a Wikishow, que abocanhou três clientes — Walmart, Sebrae e Serpro– para ações no evento deste ano.

 

Colaboraram ALEXANDRE ARAGÃO e RAFAEL CAPANEMA, de São Paulo

Comente com Facebook