Apple vai pagar US$ 113 milhões por desacelerar iPhones de propósito

Apple
Apple (Foto: Gonzalo Fuentes/Reuters)

A Apple concordou em pagar milhões de dólares a 34 estados dos EUA por causa de sua polêmica prática de desacelerar deliberadamente iPhones antigos para encurtar a vida da bateria. 

A empresa vai pagar US$ 113 milhões para encerrar uma investigação em estados como Califórnia e Arizona por não ter sido transparente sobre os problemas de bateria do iPhone que levaram ao desligamento inesperado do dispositivo. Em vez de revelar o problema aos consumidores ou substituir as baterias, ela lançou uma atualização de software em dezembro de 2016 que afetou o desempenho de modelos de iPhone mais antigos.

A notícia da prática irritou os clientes da Apple (AAPL), acendendo o que alguns chamam de “batterygate”. Muitos acreditam que era um esforço para induzir os usuários a comprar novos iPhones.

“As big techs (as grandes empresas de tecnologia) devem parar de manipular os consumidores e contar-lhes toda a verdade sobre suas práticas e produtos”, sentenciou o procurador-geral do Arizona, Mark Brnovich, que ajudou a conduzir a investigação, em um comunicado para a imprensa na quinta feira (19). “Estou empenhado em responsabilizar essas gigantescas empresas de tecnologia quando ocultam informações importantes dos usuários.” 

Na época, a Apple emitiu um raro pedido de desculpas, reduziu temporariamente o preço das baterias de substituição de US$ 79 para US$ 29 e adicionou um recurso para permitir que os usuários do iPhone monitorassem a saúde da bateria.

“Nós sabemos que alguns de vocês acham que a Apple os decepcionou. Pedimos desculpas”, declarou a empresa em 2017. “Em primeiro lugar, nunca fizemos – e nunca faríamos – nada para encurtar intencionalmente a vida útil de qualquer produto Apple ou degradar a experiência do usuário para impulsionar as atualizações do cliente”.

Apesar do mea culpa, o caso gerou consequências legais. Em março, a Apple concordou em pagar até meio bilhão de dólares para encerrar uma ação coletiva que a acusava de desacelerar iPhones para obrigar os usuários a comprar novos. 

Além de pagar milhões de dólares aos estados, a Apple concordou em fornecer atualizações sobre a saúde da bateria do iPhone, o desempenho do smartphone e o gerenciamento de energia em seu site ou notas de instalação.

Fonte: Da Redação Namidia News com informações de CNN

Comente com Facebook