Apple TV é prática, mas seu acervo deixa a desejar

Dois cabos, um HDMI, outro na tomada, e pronto. O televisor vira um aparelho conectado à internet, que pode ser ligado por conexão Wi-Fi ao computador, ao iPhone, ao iPad ou ao iPod Touch.

Esse é o serviço que oferece a Apple TV, um aparelho da chamada era pós-televisão -em que ver TV não depende apenas de canais abertos ou pagos nem da televisão em si, já que o conteúdo está espalhado pela internet em outros itens portáteis.

Aparelho de R$ 399 liga televisor à internet e permite alugar filmes on-line

Por R$ 399, ele transforma o televisor numa extensão dos gadgets, via iTunes. Permite assistir na tela grande ao conteúdo de vídeos de YouTube e Vimeo, à programação do Netflix (que inclui um catálogo de filmes e séries de TV para quem paga a mensalidade de R$ 14,99), navegar em fotos do Flickr e alugar filmes on-line da iTunes Store.

Esse último ponto, que deveria ser o principal, é o mais fraco. O acervo de produções ainda é muito limitado (cerca de 280 obras) e não oferece grandes novidades do cinema. Poucos filmes na iTunes Store são mais novos do que os oferecidos pelo Netflix e por canais pagos.

E não é possível comprar os longas, apenas alugá-los.

A locação, a partir de US$ 2,99, está atrelada ao cartão de crédito registrado no Apple ID do usuário do iTunes. Basta confirmar o número de segurança do cartão. E, como em todo produto Apple, não há chance de ver pirataria.

FALHA NA BUSCA

No teste da Folha, a busca por títulos não funcionou. A assessoria da Apple informou que o problema deve ter sido pontual, já que, “em teoria”, o sistema deveria funcionar. Mas a Folha testou em mais de um horário, sem sucesso.

A praticidade do aparelho é um diferencial. E o fato de a conexão entre a Apple TV e os gadgets ser Wi-Fi reduz o amontoado de fios que é rotina para quem liga aparelhos eletrônicos a seu televisor.

Mostrar as fotos da última viagem, por exemplo, ganha nova dimensão quando elas podem ser vistas na tela grande da TV, sem se enrolar num novelo de cabos, e na velocidade de um clique, ao som da playlist criada para a estrada.

CONEXÃO FÁCIL

Ligar a Apple TV ao MacBook ou a um notebook com Windows é fácil. Basta ativar a opção “compartilhamento familiar” no menu do iTunes.

A conexão com um Mac é visivelmente mais rápida do que com um computador equipado com Windows, mas a velocidade da navegação em ambos é a mesma.

O aparelho funcionou bem com uma conexão de 1 Megabit por segundo. Demora um pouco para carregar, mas é possível para assistir aos conteúdos sem interrupções.

APP “SECRETO”

Apesar de a instalação ser bastante intuitiva, como se espera de um produto da Apple, não é simples entender que a conexão com iPhone e iPad se faz pelo aplicativo (grátis) Remote, que precisa ser baixado na App Store.

Não há indicação no menu do próprio aparelho nem no manual de instruções que acompanha o produto.

 

FOLHA

Comente com Facebook