Sexy e hilário, o calendário dos taxistas era tudo que você (não) precisava ver hoje

Táxi calendário

Por mais que a tecnologia tenha entrado de vez em nossas vidas, ainda existem milhares de marcas e instituições produzindo calendários.

No fim do ano esta prática fica bastante clara, com as diversas opções à venda em prateleiras e sites do mundo todo.

Mulheres, bebês, animais em extinção, artistas famosos, pinturas impressionistas, definitivamente, são muitas as opções. No entanto, um dos calendários mais tradicionais é o dos taxistas de Nova York. 

Beneficente e bem humorado, para 2020 os taxistas resolveram fazer um ensaio pra lá de hilário e… sexy!

Com fotos de Shannon Kirkman e direção criativa de Philip Kirkman, todo mês, um taxista é honrado com uma postura incomum e bem humorada.

Porém, o melhor de tudo é que parte do lucro das vendas do calendário é reservada para suportar um causa.

Este ano, eles decidiram apoiar a organização Assentamento Universitário que ajuda a cada ano mais de 30.000 imigrantes, promovendo a educação infantil.

“Quando começamos esse projeto, nosso único objetivo era fazer as pessoas rirem”, disse o casal. “Mas isso evoluiu rapidamente à medida que começamos a estabelecer relacionamentos com os motoristas. A maioria das histórias compartilhadas de imigração, família e sacrifício, combinadas com esforços contínuos para sobreviver a uma indústria de táxi em dificuldades”.

O casal de artistas iniciou o projeto em 2013, quando eles passaram cada vez mais tempo conhecendo o setor de motoristas de táxi de Nova York, e descobriram que 90% dos motoristas são imigrantes.

A vontade de ajudar este grupo através de arte, surgiu naturalmente. Desde que eles começaram a produzir e vender seus calendários, eles já doaram mais de U$ 70.000 para diversas instituições que ajudam as minorias.

Muito mais do que nos fazer rir, o calendário nos oferece uma representação importante da comunidade de imigrantes de Nova York.

Dez dos doze taxistas da edição de 2020 são de oito países diferentes. Histórias emocionantes, como a da motorista Arminda, que chegou aos EUA em 1963 da Colômbia como mãe solteira, estão ocultas nas fotografias.

Hoje, já são mais de 40 anos como taxista em Nova York. Porque o mundo, é de todo mundo! O calendário está à venda no site oficial e custa U$14,99.

Comente com Facebook