Rio Grande do Sul tem perdas de R$ 2,2 bi com seca, diz governo

Falta e excesso de água têm alterado a rotina na região sul do país

Há dias, o cenário na Região Sudeste do Brasil é de muita chuva. No estado mais crítico, Minas Gerais, 103 cidades estão em situação de emergência. As enchentes também causam estragos no Rio de Janeiro e no Espírito Santo. Mais ao sul, é a falta de água que decreta o alerta. São 106 municípios gaúchos e 63 catarinenses sofrendo com a estiagem. Falta e excesso de água marcam o início do ano no país, assolando a vida de quase 3,5 milhões de brasileiros.

Em Itaperuna (RJ), 5 mil pessoas estão desabrigadas. Em todo o estado, os estragos provocados pela chuva atingiram 95,8 mil pessoas

Na madrugada de ontem, voltou a chover forte em Minas Gerais e nas regiões norte e noroeste fluminense. A previsão do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) é de mais chuva para os próximos dias. Diferentemente da previsão para o sul do país. De acordo com o major Ferreira, da Defesa Civil do Rio Grande do Sul, o quadro seco no estado não sofrerá alterações na próxima semana. “Só estamos prevendo mudanças climáticas para o fim do mês”, alerta.

Outras 35 cidades gaúchas enviaram notificação preliminar de desastre (Nopred) e podem se juntar à lista de emergência nos próximos dias. Hoje, o vice-governador Beto Grill, governador em exercício do estado, assinará um decreto coletivo de situação de emergência dos municípios atingidos pela estiagem. A medida tem como objetivo apressar a liberação de verbas federais para ajudar os produtores prejudicados pela estiagem. Entre as opções estão a renegociação das dívidas e, em alguns casos, até mesmo o perdão da mesma.

A Associação Rio-Grandense de Empreendimentos de Assistência Técnica e Extensão Rural estima que as perdas com a seca chegam a R$ 2,8 bilhões. As culturas de milho e de feijão são as mais atingidas. Em algumas lavouras, 90% do milho plantado foi perdido. A produção de soja em cidades gaúchas deve sofrer 25% de perda.

Além do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, com 460.714 e 407 mil pessoas prejudicadas, respectivamente, moradores do Paraná têm a rotina alterada devido à estiagem. Nenhuma cidade decretou situação de emergência, mas a Defesa Civil do estado contabiliza nove municípios com problemas pela falta de chuva. Estima-se que 76 mil moradores tenham sido afetados pela seca. Houve, inclusive, redução da colheita do grão. A previsão é de que a queda seja de 10% em relação à safra do ano passado.

A seca no Rio Grande do Sul afeta também a economia do estado: as perdas contabilizadas pelos agricultores devem somar R$ 2,8 bilhões

 

 

 

 

Comente com Facebook