Empresário suspeito de matar procuradora é encontrado morto em BH

Corpo estava sobre a cama de um motel às margens da BR-356 no bairro Olhos D’Água

Casal estava em processo de separação

Ex-marido de procuradora assassinada em um condomínio de luxo foi encontrado morto na noite de quinta-feira, 2, em um motel na cidade de Belo Horizonte(MG). O corpo do empresário Djalma Brugnara Veloso, de 49 anos, foi localizado sobre a cama de uma suíte do Motel Capri, na BR-356, no bairro Olhos D’Água, onde se hospedou pouco antes das 5 horas do mesmo dia.

O corpo foi retirado da suíte às 3h desta sexta-feira

O corpo foi encontrado por funcionários, que estranharam o silêncio do hóspede após quase um dia de permanência no quarto. A polícia investiga a possibilidade de Brugnara ter se matado, mas não afasta a possibilidade de assassinato, porque havia ferimentos em várias partes do corpo e sinal de violência no pescoço, além de sangue na cama, no chão e no banheiro. Sob o corpo foi achada uma

Uma funcionária do motel que encontrou o corpo do empresário em cima da cama

faca que, segundo a PM, pode ter sido a mesma usada para matar Ana Alice Moreira de Melo, de 35 anos. Ex-marido da procuradora da Advocacia Geral da União (AGU), Brugnara era considerado foragido pela polícia desde o início da manhã de quinta-feira, 2. Ele teve prisão preventiva decretada pela Justiça de Minas Gerais como principal suspeito na morte da ex-mulher.

Ana Alice foi assassinada na madrugada de quinta-feira na casa onde morava com os dois filhos do casal, em um condomínio de luxo na cidade de Nova Lima. Segundo uma empregada da família,o empresário discutiu com a procuradora e, em seguida, matou a mulher a facadas, antes de fugir, em um Peugeot branco, o mesmo encontrado no motel. A empregada se trancou no banheiro com as crianças e acionou a PM. O casal estava em

Uma funcionária do motel que encontrou o corpo do empresário em cima da cama
Empresário chegou a motel com mesmo carro usado para sair de mansão em Nova Lima

processo de separação e, no dia 24 de janeiro, Ana Alice registrou um boletim de ocorrência por ameaças contra o empresário na 4ª Delegacia de Nova Lima, com base na lei Maria da Penha. No dia seguinte, a justiça determinou que ele deveria manter distância da ex-mulher e dos filhos.

Mesmo assim, o advogado da procuradora achou as medidas de proteção insuficientes e solicitou à justiça que o empresário deixasse a casa. O pedido foi deferido na quarta-feira, 1, pelo Juiz Juarez Morais de Azevedo, do Tribunal de Justiça de Minas Gerais. No entanto, o despacho saiu depois das 18 horas, e nenhum dos cônjuges chegou a ser comunicado. A Procuradoria-Geral Federal emitiu nota, lamentando o assassinato da procuradora. O corpo de Ana Alice será enterrado hoje no cemitério Parque Bosque da Esperança, na capital, onde o velório terá início às 9 horas.

Comente com Facebook