Ai se eu te pego ! Refrão vira assunto de palestra para publicitários

Outro dia postei um artigo sobre a musica que virou febre em todo mundo, escrito por um renomado professor e palestrante, sobre as lições do refrão criado por Sharon Acioly e cantado por Michel Telo. Na onda da musica, o palestrante enriquece sua apresentação mostrando as lições de administração que a musica nos deixa.

Hoje vou postar outro artigo, dessa vez de outro renomado palestrante, só que dessa vez as lições são voltadas para gerentes, publicitários e chefes de equipes de vendas.

NOSSA; DELÍCIA! AI SE EU TE PEGO

A canção que empresta parte da sua letra para o título desse artigo e que estourou nas paradas no final do ano de 2011 e início do ano de 2012 é mais um bom motivo para falarmos de vendas e da relação dos profissionais de vendas com seus prospects, tendo alguns aspectos que podem nos ajudar.

Como boa parte das ”grandes sacadas”, a sacada do referido refrão que fez da música um grande hit é em parte mais uma daquelas expressões coloquiais do cotidiano, que são empregadas em um determinado contexto – sinta-se à vontade para imaginar este em específico a que nos referimos – e que certamente foram percebidas pelo compositor como uma ótima oportunidade. Capture uma expressão que tenha seu appeal, aplique um tom, uma fluidez e pronto. Mais uma melodia “chiclete“ (que gruda nos ouvidos) nasce a partir desses elementos.

Trazendo esse exemplo para o contexto comercial, posso arriscar extrair algumas lições de prospecção e vendas do referido refrão. Vamos ver?

Fórmula AIDA

Muitos de nós já conhecemos a fórmula AIDA, acrônimo para ATENÇÃO, DESEJO, INTERESSE e AÇÃO, com a qual muitos profissionais de vendas empregam abordagens juntos ao seu alvo. O refrão do Michel Teló chama a atenção por reunir os elementos da fórmula AIDA na mesma frase. Observe:

– Nossa (chamar a ATENÇÃO)
– Delícia (gerar INTERESSE)
– Assim você me mata (despertar DESEJO)
– Ai se eu te pego, ai, ai se eu te pego (convite para a AÇÃO)

Por mais lúdico que pareça, é com certeza um belo exemplo do motivo pelo qual a música tem esse potencial “chiclete” já na primeira vez que é tocada para uma multidão. Na próxima vez que ouvi-la, observe a respeito.

Agora pretendo chamar-lhe mesmo a atenção é para outro aspecto da canção. Conforme citei acima, ouvindo o refrão da música você é capaz de imaginar o devido contexto no qual a expressão do hit se manifesta correto? Deixando a malícia de lado – faça-o, por favor –, imagine se cada profissional de vendas da sua empresa, principalmente aqueles responsáveis pelo hunting, reagissem da mesma maneira ao se deparar com um prospect de alto potencial. Provavelmente, uma parte de vocês ainda está no meio do caminho e, talvez, pensando em determinado prospect, mas deixando-se levar pelo viés original do refrão da música. Por favor, controle seus instintos e mantenha-se firme no paralelo com a área comercial. Talvez seja difícil, mas você consegue.

Voltando a pauta, imagine como seria se esses profissionais responsáveis pelo hunting aplicassem à sua atividade de approach o mesmo appeal e sentissem por essa oportunidade de prospecção o mesmo desejo que ficam tão notórios no refrão da canção. Ainda que o paralelo seja no mínimo inusitado, o fato é que os resultados desse desejo e dessa emoção aplicada à operação de vendas poderiam resultar em um cliente inebriado e apaixonado por sua empresa.

Muita calma nessa hora. Por favor, não confunda as bolas. Observe que se trata apenas de um paralelo. Sua atividade deve continuar sendo realizada com todo o profissionalismo e seriedade que seu mercado, empresa e perfil de clientes exigem e merecem, mas o fato é que possuir profissionais de vendas responsáveis pelo hunting que possuam essa característica de se impressionarem com um cliente de alto potencial e de ficarem verdadeiramente loucos por conquistar esse cliente faz uma grande – enorme! – diferença para as empresas.

Assim, você que é líder e dirigente de equipes de vendas observe nos seus trabalhos em conjunto com seu time se ao cruzar com clientes de alto potencial seus vendedores exclamam “nossa” e ficam loucos de desejo de conquistar esse cliente para sua empresa; ou se os mesmos olham de soslaio, dão de ombros e o tratam como se apenas fosse mais um em meio à multidão.

Se o primeiro for seu “excelente” caso, reconheça-o e ajude-o. Todavia, se infelizmente ele estiver mais inclinado para o segundo tipo, talvez seja a sua vez de exclamar:

“NOSSA; AÍ VOCÊ ME MATA!”

Scher Soares ([email protected]) é consultor de empresas e presidente do Grupo Empresarial Triunfo (www.grupotriunfo.com) – Triunfo Propaganda, Triunfo Consultoria e Treinamento, Track Digital, Renco SP e MNO.

Da redação com informações do Portal da Propaganda

Comente com Facebook