VÍDEO: Paciente de Parkinson melhora após implantar chip no cérebro

Um paciente com doença de Parkinson teve seus sintomas revertidos por um pequeno dispositivo implantado em seu cérebro.

Esta é a primeira vez que um dispositivo desse tipo foi implantado no cérebro para controlar o Parkinson, disse uma reportagem da BBC.

A operação foi realizada em Tony Howells em um hospital em Bristol. O minúsculo dispositivo de estimulação cerebral profunda (DBS) tem a função de substituir padrões anormais de disparo de células cerebrais causados ​​pelo Parkinson, disse o relatório da BBC.

O dispositivo alimentado por bateria é implantado no crânio e fornece impulsos elétricos para áreas específicas do cérebro. O novo procedimento cirúrgico leva apenas três horas, cerca de metade do tempo que costumava levar.

Vinte e cinco pacientes foram selecionados para o estudo que deve ser concluído no próximo ano. Howells, enquanto isso, disse à BBC que o impacto do dispositivo é “incrível”.

Ele implantou o dispositivo em 2019 e disse que antes da cirurgia, tentou fazer uma caminhada, mas só conseguiu chegar a 182 metros do carro.

“Depois da operação, que foi 12 meses depois, fui novamente na caminhada e percorremos 4 km, e poderíamos ter ido mais longe”, disse ele à BBC. “Foi fantástico.”

Atualmente, não há tratamento disponível para a doença de Parkinson, que leva a danos progressivos do cérebro ao longo dos anos.

Segundo o Instituto Nacional de Envelhecimento do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA, Parkinson causa movimentos não intencionais ou incontroláveis, como tremores, rigidez e dificuldade de equilíbrio e coordenação. Os sintomas geralmente começam gradualmente e pioram com o tempo.

À medida que a doença progride, as pessoas podem ter dificuldade em andar e falar. Também pode ter alterações mentais e comportamentais, problemas de sono, depressão, dificuldades de memória e fadiga.

A maioria das pessoas desenvolve sintomas quando tem mais de 50 anos, mas cerca de uma em cada vinte pode ter com menos de 40 anos.

Fonte: Da Redação NamidiaNews com informações de ndtv