Sobrevivente do Holocausto e filho de nazista são amigos há mais de 8 anos

O sobrevivente do Holocausto de 89 anos, Simon Gronowski, e o filho de um simpatizante nazista, Koenraad Tonel, 86 anos
O sobrevivente do Holocausto de 89 anos, Simon Gronowski, e o filho de um simpatizante nazista, Koenraad Tonel, 86 anos (Foto: Reprodução/BX1/Youtube)

Uma amizade que seria impossível há sete décadas, durante a II Guerra Mundial, é hoje símbolo de reconciliação na Bélgica. O sobrevivente do Holocausto de 89 anos, Simon Gronowski, e o filho de um simpatizante nazista, Koenraad Tinel, de 86 anos, são bons amigos e até ganharam no mês passado uma honraria pelo vínculo de companheirismo que cultivam.

De acordo com a agência Reuters, as universidades Vrije Universiteit Brussel e Université libre de Bruxelles, localizadas em Bruxelas, concederam à dupla, na ocasião, títulos honoris causa, honrarias que são entregues a pessoas que se destacam em setores da sociedade.

A amizade dos dois começou depois que ambos foram apresentados em um encontro da União de Judeus Progressistas Belgas, em 2012. “Eles me perguntam: ‘Você concorda em conhecer o filho de um nazista?’. Sim, eu concordo. Estranho, mas concordo”, relatou Gronowski. Depois de topar conhecer Tinel, ele nunca mais deixou o amigo.

Lados opostos

Gronowski, todavia, lembra que viveu uma infância bem diferente do colega. “Cada um de nós estava do seu lado da cerca — eu do lado das vítimas e ele do lado dos algozes”, afirmou, à Reuters.

Em março de 1943, Gronowski foi obrigado a entrar com outros vários judeus belgas em um vagão de trem que ia até Auschwitz, mas pulou da locomotiva, escapando da morte. A irmã dele e a mãe, infelizmente, faleceram no campo de concentração.

Já Tinel, enquanto isso, vivia em Ghent, na Bélgica, e seus irmãos eram soldados nazistas. O pai, um artista, esculpia bustos de Adolf Hitler e de oficiais da SS.

Apesar do passado de sua família, ele é hoje contrário à ideologia nazista. “Eu não posso ser racista. Não posso ser um nacionalista flamengo. Não posso ser um nacionalista belga. Eu sou um homem do mundo “, disse ele.

E o amigo judeu o reconhece e o apoia. “Koenraad é mais do que um amigo, ele é meu irmão”, diz. “Não trazemos uma mensagem de tristeza, mas de esperança e felicidade. Digo a todos: a vida é linda, mas é uma luta diária”.

Fonte: Da Redação Namidia News com informações de UOL

Comente com Facebook