Mulher usa dinheiro de ajuda emergencial para comprar diamantes

Anel com diamante
(Foto: Pixabay)

Em um cenário em que milhões lutam para continuar economicamente ativos por conta da pandemia de Covid-19, é de se imaginar que as compras menos importantes sejam as feitas em locais como Louis Vuitton e lojas de diamantes.

Mas na Carolina do Norte, nos Estados Unidos, onde a taxa de desemprego estava em 6,5% em agosto do ano passado, uma mulher teria usado seu empréstimo emergencial de US$ 149 mil, fornecido pelo governo americano, para comprar produtos em lugares como Louis Vuitton, Nordstrom, Neiman Marcus, IKEA e lojas de diamantes.

Jasmine Johnnae Clifton, de 24 anos, mora em Charlotte e compareceu ao tribunal federal nesta semana. Ela está sendo acusada de fraude por usar uma empresa que foi dissolvida antes da pandemia para obter fundos de ajuda para Covid-19, de acordo com um comunicado do Ministério Público da Carolina do Norte.

A ajuda fazia parte do Programa de Empréstimo para Danos Econômicos por Desastres, previsto na Lei Cares (Coronavirus Aid, Relief, and Economic Security). Os fundos são oferecidos pela Small Business Administration (SBA) para pequenas empresas da Carolina do Norte que “sofreram danos econômicos substanciais” devido à pandemia, disse um comunicado da agência.

Empréstimo era para empresa que não existe mais

Clifton entrou com o processo para criar o negócio de roupas online Jazzy Jas LLC pela primeira vez em fevereiro de 2019, de acordo com a acusação. Depois disso, ela entrou na fila para concorrer ao empréstimo da SBA para a empresa em 24 de julho de 2020, de acordo com os mesmos documentos.

O problema? Segundo a denúncia, a empresa não existia mais naquela época. Ela foi formalmente dissolvida, junto aos órgãos locais, em março de 2020, já durante a pandemia, o que justificaria o acesso ao dinheiro. No entanto, a empresa deixou de existir, de fato, em setembro de 2019.

Para obter os fundos, Clifton teria apresentado um pedido de empréstimo em 24 de julho de 2020. Ela alegou falsamente que a sua loja, a Jazzy Jas LLC, gerou US$ 350 mil em receitas durante um período de 12 meses antes da pandemia, de acordo com a acusação.

“Clifton concordou em usar os recursos do empréstimo para a Jazzy Jas LLC ‘apenas como capital de giro para aliviar os danos econômicos causados pelo desastre, que começou em 31 de janeiro de 2020′”, diz o texto.

Um empréstimo de US$ 150 mil foi aprovado em 8 de agosto de 2020. A acusação diz ainda que esses fundos, menos uma taxa de US$ 100, foram depositados na conta de Clifton cerca de três dias depois.

Cobranças por fraude

Da época do recebimento do dinheiro até a acusação, Clifton usou a existência anterior de uma empresa falida para “explorar um programa de empréstimo federal e obter uma quantia substancial de dinheiro”.

O governo federal apreendeu aproximadamente US$ 50 mil em fundos da conta de Clifton, em novembro, de acordo com o registro.

Em 17 de fevereiro, o júri fez duas acusações contra ela, uma por fraude eletrônica em relação a um benefício público emergencial e outra por fraude contra o sistema de contenção de danos em relação a um grande desastre. Se condenada, ela pode pegar até 30 anos de prisão por cada acusação, além de ter que pagar US$ 1,2 milhão em multas.

A suposta fraudadora foi liberada sob fiança de US$ 25 mil após comparecer ao tribunal na segunda-feira, dizem os registros.

Promotor quer fundos para necessitados

As pequenas empresas têm lutado para continuar operando durante a pandemia. Mais de 74% das pequenas empresas relataram um efeito negativo moderado ou grande devido à Covid-19.

Os dados são os mais recentes da pesquisa Small Business Pulse, do US Census Bureau, realizada na semana de 4 a 10 de janeiro de 2021.

“Em um momento em que nossa nação está lutando contra os efeitos da pandemia de coronavírus, e as empresas estão lutando para lidar com o impacto da Covid-19, os golpistas estão aproveitando a oportunidade para fraudar programas de ajuda financeira federal e encher seus próprios bolsos”, escreveu o procurador dos EUA, Andrew Murray, em comunicado.

“Meu escritório está trabalhando duro para descobrir criminosos que tentam explorar a pandemia e roubar fundos destinados à recuperação econômica de empresas e comunidades em toda a Carolina do Norte”, acrescentou.

Fonte: Da Redação Namidia News com informações de CNN

Comente com Facebook