México lidera em profissionais de saúde mortos na pandemia, diz Anistia Internacional

Mais funcionários da área de saúde morreram pelo coronavírus no México do que em qualquer outro país, afirmou nesta quinta-feira a Anistia Internacional. Além disso, sublinhando o alto fardo que a pandemia está impondo sobre as equipes médicas na linha de frente do combate ao coronavírus no mundo. 

Pelo menos 7 mil profissionais de saúde no mundo todo morreram pelo coronavírus, incluindo 1.320 no México, disse a entidade. Outros países com altas taxas de mortalidade incluem Estados Unidos, Brasil e Índia. No entanto, o número de mortes de profissionais da área é 1.077, 634 e 573, respectivamente. 

“Com tantos meses de pandemia, profissionais de saúde ainda estão morrendo em números aterrorizantes em países como México, Brasil e Estados Unidos”, diz Steve Cockburn, diretor de Justiça Econômica e Social da Anistia Internacional. 

“É preciso haver cooperação global para garantir que todos os funcionários do setor tenham acesso a equipamentos de proteção adequados. Para que possam continuar trabalhando sem arriscarem suas próprias vidas”. 

Estados Unidos, Brasil e Índia registraram o maior número total de mortes e casos confirmados na pandemia. No entanto, somados, os três registraram mais de 14 milhões de casos de coronavírus e quase 387 mil mortes, segundo dados da Reuters

Uma análise sobre os dados do governo mexicano em agosto concluiu que o risco de trabalhadores do setor de saúde morrerem no México é quatro vezes maior do que nos Estados Unidos, e oito vezes maior do que no Brasil. 

O México registrou mais de 610 mil casos e quase 66 mil mortes. O governo mexicano no início da semana disse que 102.494 profissionais de saúde haviam contraído o vírus. Além disso, que o número de mortes entre eles subiu para 1.378.

Fonte: Terra

Comente com Facebook