Gângster que sequestrou dono da Heineken é condenado à prisão perpétua

Willem Holleeder, o mais famoso gângster da Holanda, foi considerado culpado de ser o mandante de uma série de assassinatos de pessoas no mundo do crime organizado do país.

Holleeder, agora com 61 anos, ficou famoso nos anos 1980 por comandar o sequestro do magnata da cerveja Freddy Heineken, dono da marca que leva seu sobrenome. O episódio virou até filme em Hollywood.

Considerado um chefão do crime, Holleeder foi condenado nesta quinta-feira (4) após um caro julgamento que durou mais de um ano em Amsterdã, capital holandesa.

Entre suas vítimas estava seu amigo, ex-cunhado e comparsa Cor van Hout, assassinado em 2003.

O júri condenou Holleeder à prisão perpétua por matar uma pessoa e ser o mandante de outros cinco assassinatos. Ele também foi acusado de formar com dois parceiros uma organização criminosa que ordenou matanças “a sangue-frio”. Um dos comparsas, Dino Soerel, também está preso – outro, Stanleu Hillis, foi assassinado.

O mais longo julgamento de assassinatos na história holandesa ocorreu em um tribunal de alta segurança, conhecido como “bunker”. Os advogados de Holleeder disseram que ele vai recorrer da condenação.

A acusação se baseou no testemunho de sua irmã, Astrid, que fez gravações secretas de suas conversas com Holleeder.

Após denunciá-lo, ela precisou se esconder por segurança. Van Hout, um dos comparsas, era casado com outra irmã de Holleeder, Sonja, e ela também depôs contra ele.

Willem Holleeder sempre insistiu ser inocente e alegou que as provas dadas por suas irmãs eram falsas.

Os juízes decidiram que as provas, juntamente com os depoimentos da ex-namorada de Holleeder, Sandra den Hartog e outros, eram confiáveis ​​e “deram uma contribuição importante para provar que Holleeder realmente havia cometido” os atos de que era acusado.

A história de Astrid foi transformada em livro e virou um best-seller, mas sua decisão de depor contra o próprio irmão trouxe um fim à sua carreira como advogada de defesa e a obrigou a andar disfarçada e a morar em endereços escondidos.

“Eu sei que ele quer me matar e eu não o culpo por isso. Em um dia, há muitos momentos em que alguém pode estar por aí e atirar em você. Eu realmente me sinto um Judas. Eu o trai”, disse à BBC News.

Seu crime mais famoso ocorreu em 1983: o sequestro do magnata da cerveja Freddy Heineken ocorreu sob a mira de uma arma. O caso foi manchete internacional, e a história acabou se transformando em dois filmes. O primeiro, em holandês, tinha como protagonista o ator Rutger Hauer; o segundo, “Jogada de Mestre”, foi estrelado pelo ator Anthony Hopkins.

Holleeder e Van Hout – depois assassinado a mando do ex-cunhado – ficaram com Heineken por três semanas antes do pagamento do resgate.

Ele acabou preso, mas, segundo Astrid, seu irmão nunca aprendeu a lição. “Se ele fosse um mero vilão, eu ainda o reconheceria como irmã. Mas assassinatos… Isso cruza uma linha vermelha para mim”, disse.

Fonte: G1

Comente com Facebook