Casal sobrevive a naufrágio, e alianças são encontradas no mar

Imagem de aliança de imigrantes argelinos encontrada em mochila no barco à deriva no mar
Médicos Sem Fronteiras divulgou imagem de aliança de imigrantes argelinos encontrada em mochila no barco à deriva no mar (Foto: Médicos Sem Fronteiras Itália/Reprodução)

O casal argelino Ahmed e Doudou, de 25 e 20 anos, tentou há algumas semanas uma travessia arriscada que já custou milhares de vidas. Em busca de melhores condições na Europa, eles deixaram seu país rumo à Líbia e tentaram atravessar o Mediterrâneo em um barco, que naufragou perto da ilha italiana de Lampedusa. De acordo com o braço italiano dos Médicos Sem Fronteiras (MSF), cinco pessoas morreram entre as 20 que estavam a bordo.

Além da sorte de sobreviver, o casal teve outra surpresa semanas após o naufrágio, quando suas alianças foram encontradas no mar.

Ahmed e Doudou sobreviveram, resgatados por pescadores. “Eles ficaram no mar por 48 horas quando o barco virou, todos eles acabaram na água”, disse Ahmad Al Rousan, porta-voz da Médicos Sem Fronteiras na Itália.

Semanas depois do naufrágio, em 9 de novembro, equipes da ONG de resgate marítimo Open Arms encontraram um barco meio afundado à deriva no Mediterrâneo, com uma mochila vermelha dentro.

Coberta de minúsculas criaturas marinhas, a mochila continha apenas algumas coisas necessárias para a travessia. Algumas camisas, um par de sapatos sobressalentes, um carregador de telefone. E duas alianças de casamento com os nomes Ahmed e Doudou.

“Em um primeiro momento, pensamos que provavelmente as alianças pertenciam a alguém que estava morto ou perdido na viagem”, disse Riccardo Gatti, presidente da Open Arms Itália. “Pensamos: ‘isso aqui realmente pertenceu a alguém e não sabemos onde eles estão ou se ainda estão'”.

A Open Arms compartilhou fotos da mochila e seu conteúdo, incluindo os anéis, nas redes sociais. Ademais, o grupo também repassou as imagens à Médicos Sem Fronteiras e outras organizações que fornecem apoio a sobreviventes.

As equipes de resgate que trabalham no Mediterrâneo costumam encontrar itens pessoais perdidos no mar. Mas as chances de devolvê-los a seus donos – se eles ainda estiverem vivos – são quase nulas. Al Rousan tem trabalhado em várias operações de resgate por nove anos e ele não se lembra de isso já ter acontecido.

“Quando (a Open Arms) nos contatou, eu disse a eles que era impossível encontrar os proprietários”, disse. Mas eles tentaram mesmo assim, passando as fotos da mochila para algumas pessoas que estavam no mesmo barco que Ahmed e Doudou. “E então eles nos ligaram e disseram que a mochila pertencia a Ahmed”.

“Falei diretamente com o Ahmed e ele começou a me explicar o que tem dentro, porque a foto que mandei era só da mochila e algumas coisas no convés”, disse ele, acrescentando que Ahmed lhe contou sobre os anéis, explicando que estavam na mochila porque o casal esperava consertá-los depois de chegar à Europa. “Eles estavam um pouco quebrados”, disse Al Rousan.

“Ele me disse que estava muito feliz ao ver a foto e que estava muito emocionado com os anéis, mas ainda está em choque e disse: ‘Fico pensando nas cinco pessoas que perderam a vida na nossa frente.”

Gatti disse que a tripulação do barco de resgate limpou a mochila e seu conteúdo. Assim, eles planejam enviá-la para Ahmed assim que a quarentena pela Covid-19 terminar.

Fonte: Da Redação Namidia News com informações de CNN

Comente com Facebook