Patricia Amorim sobre volta de Joel Santana ao Flamengo: “Pode ter”

Patricia Amorim não confirmou a contratação de Joel Santana pelo Flamengo Foto: Jorge William

Não é o “pode to be”, mistura irônica de inglês e português do comercial recém-gravado por Joel Santana, mas já é um “pode ter” muito sugestivo. Assim a presidente Patricia Amorim, na coletiva de imprensa posterior à demissão de Vanderlei Luxemburgo, explicou a (eventual) negociação do clube com o Natalino. Em um discurso cheio de contradições, Patricia não confirmou o contato com Joel para, minutos depois, reconhecer a possibilidade:

— “Não falei com Joel nem com o Angioni (Paulo, diretor de futebol do Bahia). Não tenho preferência, nem comecei essa aproximação. Mas a conversa existe — afirmou a presidente, que logo antes havia garantido que o pedido de demissão de Joel no clube baiano não estava relacionado com as mudanças no comando do futebol do Flamengo.

No mesmo ritmo, Patricia explicou que optou pela saída de Luxa porque o relacionamento com os jogadores já estava desgastado, sem especificar se o problema do técnico é com Ronaldinho Gaúcho. Contudo, a dirigente reiterou o agradecimento a Vanderlei, Isaias Tinoco (gerente de futebol) e Luiz Augusto Veloso (diretor de futebol). Todos agora fora da Gávea.

— Embora achasse a equipe competente, não havia brilho no olhar (dos jogadores). Estava deixando a equipe muito burocrática, sem coisas como o “Bonde sem Freio”, essas coisas do Flamengo. — considerou Patricia, que novamente caiu em contradição ao assegurar que a demissão de Luxa acabou decidida nesta quinta-feira, após a classificação sobre o Potosí, quarta-feira à noite, no Engenhão, e depois falar que a reunião feita na Gávea com Luxemburgo havia sido o “ingrediente que faltava”.

Já a respeito da multa rescisória de cerca de R$ 4 milhões no contrato de Vanderlei, Patricia adiantou que é um problema para esta sexta-feira:

— A questão da multa será decidida a partir de amanhã (sexta-feira) com os advogados. Existe a multa, é alta, seria melhor se pudéssemos investir em pagamento de dívidas, investir no elenco. Mas está no contrato. Cumpra-se.

EXTRA

Comente com Facebook