Escola gera polêmica ao pedir kit de médico para meninos e kit de cozinha para meninas

Lista de material do Instituto Dom Barreto
Escola pede kit de médico para meninos e kit de cozinha para meninas — Foto: Reprodução/Facebook

Uma postagem em rede social na qual o autor se diz tio de uma aluna do Instituto Dom Barreto (IDB), em Teresina, causou polêmica na internet. Ele relatou indignação ao ver que a escola solicitava kits diferenciados para meninos e meninas na lista de material escolar.

A relação pede, por exemplo, um kit profissional de médico para meninos e de cozinha para meninas.

Nas fotos compartilhadas por ele, o IDB pede bola e carro de brinquedo apenas para meninos, enquanto para as meninas a escola pede uma boneca. Além dos brinquedos, a escola pede “kits profissão”. Para o menino são solicitados kits médico, mecânico e bombeiro. Já para as meninas são sugeridos kits salão e cozinha.

“Não adoeçam as crianças, ensinem a elas sobre o mal do machismo, preconceito e homofobia, quando for o momento mais adequado”, declarou o autor da publicação.

A publicação recebeu mais de 200 reações, comentários e compartilhamentos. “O colégio é um dos melhores do Brasil e por muitas vezes chegou a ser o melhor, só porquê pediu uma bola para meninos vem esse tanto de crítica?”, questionou uma das pessoas que comentou a postagem.

“Triste…no final, todos somos cúmplices de culpados por nossas filhas sofrerem abusos e ataques machistas a vida toda. São tratadas como imbecis, na escola e em casa não são educadas para serem um sujeito transformador, donas do seu próprio destino, cidadãs capazes de tomar decisões, sobretudo em relação à sua profissão”, declarou outra.

A escola afirmou por nota que a “divisão por sexo” de alguns itens foi feita para garantir diversidade nos itens de cada sala e que as atividades desenvolvidas com esses materiais são feitas por todos os alunos, ou seja, que o material é de uso coletivo.

Lista de material escolar do Instituto Dom Barreto
Colégio solicita bola apenas para meninos em lista de material escolar — Foto: Reprodução/Facebook

Depois da polêmica, a instituição fez alterações na lista. Agora, é solicitado somente um “kit brinquedo” a ser utilizado nas brincadeiras “faz de conta” e oficinas. “Com a finalidade de ampliar o conhecimento do mundo da criança”, diz a lista.

A escola sugere kit ferramentas, médico, bombeiro, cozinha, cabeleireiro. Retirando apenas a delimitação do gênero.

Post polêmico sobre Instituto Dom Barreto no Facebook
Tio de aluna fez publicação demonstrando indignação com a lista de material escolar — Foto: Reprodução/Facebook

Nota do IDB:

Cientes da importância de esclarecimentos sobre nossa lista de materiais, vimos explicar que a divisão por sexo de alguns itens, exclusivamente da série do Infantário, dá-se apenas a título de garantir a diversidade de itens em cada sala, visto que, como especificado (MATERIAL LÚDICO – BRINCAR DE FAZ DE CONTA), as atividades desenvolvidas com esses materiais solicitados são feitas por todos os alunos ao mesmo tempo (material de uso coletivo) ou dentro do contexto pedagógico de experiências plurais.

O objetivo não é estimular ou segregar uma profissão em detrimento de outra, tampouco reproduzir uma percepção caduca de atividades específicas e distintas para meninas e meninos. Nosso compromisso, sobretudo na Educação Infantil, é com o faz de conta, com a criatividade, com cooperação, com a socialização e a comunicação, com o desenvolvimento da oralidade, da motricidade, ou seja, tudo o que permita a nossas crianças conhecerem-se a si mesmas, aos outros e ao mundo.

Acreditamos que informações desvinculadas de qualquer fundamentação didático-pedagógica podem afastar o real sentido das práticas do ensinar e aprender e reduz o trabalho desenvolvido por profissionais capacitados, e mais que isso, comprometidos com a infância e, sobretudo, com a formação de cidadãos e cidadãs que, historicamente, orgulham nosso Estado e nosso país.

Avaliar uma escola, qualquer escola que seja, por um item da sua lista de materiais escolares é postura temerária, decorrente, muito provavelmente, do desconhecimento do histórico da instituição, que ao longo de sua existência tem primado por uma educação libertadora de quaisquer amarras derivadas de preconceitos e discriminações, e que se orgulha, ainda, de contribuir para a formação educacional de mulheres e de homens conscientes do protagonismo feminino em qualquer profissão que decidam seguir. Felizmente, a Escola tem colhido, nos mais diversos ramos profissionais, os resultados desse atuar.

Assim, a lista de materiais divulgada para essa etapa não tem o propósito de impor, limitar ou distinguir seus usos. Entretanto, como somos conscientemente aprendizes, encontraremos outros modos de dizer nos próximos anos.

Certos da confiança de nossa comunidade, desejamos um 2020 de Paz e Bem a todos.

Com informações de: G1

Comente com Facebook