Técnicos de enfermagem relatam dia a dia de esperança amor e dedicação pela profissão

Hoje, dia 20 de maio, é comemorado o dia desta classe, de vital importância nos fronts de batalha contra o coronavírus.

O Namidia News ouviu os relatos de profissionais do município de Porto Seguro que encaram de frente os desafios impostos diariamente pela Covid-19.

O cuidado a um paciente doente, em tempos normais, já é um processo complexo e que exige trabalho em grupo.
Durante uma pandemia como a que vivemos atualmente, tudo fica ainda mais complicado.

Uma parte essencial deste trabalho é realizada pelos técnicos em enfermagem, profissionais que atuam diretamente com as pessoas, vivenciando na pele as dores, as tristezas e os dilemas, mas também as alegrias, as conquistas e a gratidão.

Jhonson James

“Todo e bom profissional de Enfermagem é um guerreiro por enfrentar um sistema injusto, escala de trabalho pesada, salários baixos e dificuldade de exercer a profissão e de dá uma boa assistência para os paciente. Trabalhamos muitas vezes em cenário de guerra e sobrevivemos, somos fortes.” Jhonson James quinze anos de profissão, trabalha no hospital Luiz Eduardo Magalhães e na clínica CLIMEP.

Elaine Januário

“Esse é um dia de muita importância para todos nós, pois é o dia do nosso tão sonhado reconhecimento, em meio a tantas dificuldades encontradas como sobrecarga de trabalho, baixos salários, e desvalorização, é o dia que o mundo pode refletir que para nós, isto é mais que uma profissão é um dom, uma missão, sou orgulhosa por ser técnico em enfermagem.” Elaine Januario, oito anos de profissão. Trabalha na emergência do hospital Deputado Luís Eduardo Magalhães e na clínica Porto Seguro.

Stéfani Lima

“Do fundo do meu coração, quero agradecer e dar os parabéns a todos os profissionais de enfermagem que têm demonstrado ter a coragem e a determinação para serem os verdadeiros heróis da nação. Mas esses “heróis” precisam de respeito e reconhecimento.” Stéfani Lima Costa, oito anos de profissão, trabalha no hospital Deputado Luís Eduardo Magalhães em Porto Seguro e UPA / Arraial d’Ajuda.

Valdirene Rodrigues

“A Enfermagem é a arte do cuidar e nós somos os artistas dessa ciência complexa e indispensável na saúde.” Valdirene Rodrigues trabalha sete anos no hospital Deputado Luís Eduardo Magalhães, e onze meses no hospital Navegantes.

Icelia Brito Pardinho

“A enfermagem e a arte de cuidar incondicionalmente de alguém que vc nunca viu na vida mas mesmo assim ajudar e fazer o melhor por ela com muito carinho por que o paciente e o amor de alguém ,A Enfermagem exige responsabilidade de quem exerce pois lidamos com Vida.” Icelia Brito trabalha há sete anos na emergência do hospital Deputado Luís Eduardo Magalhães e dois anos no SAMU em Porto Seguro.


No que consiste a enfermagem? Essa é a única área da saúde pública que, em tese, mantém um profissional disponível ao paciente por 24 horas diárias.
A profissionalização que se seguiu à criação dos estudos formais moldou uma nova visão do trabalho.

Na definição da enfermeira e teórica americana Virgínia Henderson, trata-se de dar assistência ao indivíduo doente ou sadio no desempenho de atividades que contribuem para manter a saúde, recuperá-la ou, se for o caso, permitir uma morte serena.

A profissionalização permitiu ao enfermeiro, com o passar do tempo, concentrar-se em atividades vitais e administrativas, delegando aos antigos auxiliares de enfermagem atividades rotineiras, como o banho, o escovamento de dentes e o cuidado com os materiais.

Sob a orientação do enfermeiro, o técnico de enfermagem pode desempenhar atividades de menor complexidade, como avaliações e procedimentos em pacientes da unidade semi-intensiva.

Uma pesquisa feita em 2018 pelo Conselho Federal de Enfermagem, em parceria com a Fiocruz, indica que 91,8% das pessoas que se graduaram na área no Brasil estão inseridas no mercado de trabalho. Há dois anos, havia 46.991 vagas ativas no país, de acordo com os dados mais recentes disponíveis.

Era a segunda profissão de nível superior que mais tinha gente em atividade, atrás apenas de analistas de desenvolvimento de sistemas. Mas isso não é uma notícia a ser comemorada sem ressalvas.
Estima-se que 85% dos cargos da área de enfermagem no país sejam ocupados por mulheres.

E muitas vezes o enfermeiro graduado precisa trabalhar como técnico de enfermagem por falta de vagas na sua carreira.

A média salarial na Bahia de um enfermeiro está em torno de R$ 2.200, e não é difícil ver um profissional contratado por R$ 1.500 e tendo que trabalhar em três lugares distintos para compor a renda. Há técnicos de enfermagem recebendo um salário mínimo, muitas vezes o enfermeiro graduado precisa trabalhar como técnico de enfermagem por falta de vagas na sua carreira.

Redação Namidia News, com informações do Conselho Federal de Enfermagem. Pesquisa Fiocruz.

Comente com Facebook