Roupa repelente feita por cientista africano pode ser arma contra malária

A parceria entre um cientista e uma estilista da África levou ao desenvolvimento de uma roupa que repele o mosquito transmissor da malária. A doença é um problema sério de saúde pública no continente, e mata cerca de 650 mil pessoas por ano, segundo estimativas.

Assim como a dengue, a malária é uma doença tropical transmitida por mosquitos. Os insetos do gênero Anopheles picam o ser humano e podem passar os protozoários Plasmodium, causadores da doença. A malária provoca febre, dores nas articulações e pode levar à anemia e, em alguns casos, à morte.

Modelo desfile com a capa desenvolvida contra a malária (Foto: Mark Vorreuter/Divulgação)

O tecido projetado pelo queniano Frederick Ochanda, professor da Universidade Cornell, em Ithaca, nos Estados Unidos, é mais eficiente que os repelentes usados na pele, porque dura mais.

O pesquisador recorreu à nanotecnologia. Ele usou compostos que integram metais e moléculas orgânicas e conseguiu carregar o tecido com grande quantidade de substâncias repelentes. O novo tecido recebe até três vezes mais inseticidas do que as redes normalmente usadas para afastar mosquitos nas casas africanas – essas redes duram cerca de seis meses.

Matilda Ceesay, estudante de moda da mesma universidade, desenhou a capa, que foi apresentada em um desfile no campus, no fim de abril. Ceesay nasceu em Gâmbia.

No futuro, os dois esperam que o tecido sirva para levar a novas tecnologias contra a malária. Ochanda pretende desenvolver um tecido que possa responder a mudanças de temperatura ou de luz. Dessa forma, seria possível reforçar a proteção à noite, que é quando os mosquitos buscam comida – e picam mais.

“Um objetivo da ciência em longo prazo é encontrar soluções para ajudar a vida e a saúde humanas, então esse projeto é muito gratificante para mim”, afirmou Ochanda, em material de divulgação da universidade.

 

 

G1

Comente com Facebook