Para ajudar fazendas, Itália dará licenças para imigrantes trabalharem

Agricultura na Itália
Com as colheitas perdidas e as dificuldades de venda, o coronavírus impactou totalmente os agricultores italianos (Foto: Marco Bertorello / AFP)

A Itália planeja dar licenças de trabalho para milhares de imigrantes que se encontram em situação irregular no país. Essa medida é feita com o intuito de ajudar as fazendas a lidarem com a pandemia de Covid-19. A doença interrompeu o fluxo de mão de obra barata do exterior.

Grupos de interesse do agronegócio alertaram que a Itália terá que jogar fora grandes quantidades de frutas e vegetais. Isso ocorre pois não há quem os colha, o que agrava os efeitos de um isolamento que custa 7 bilhões de euros ao setor alimentício.

A manobra politicamente delicada, já noticiada pela mídia italiana, foi atacada imediatamente pelo líder de oposição de direita Matteo Salvini (Liga Norte), cujo partido baseou seu sucesso em uma campanha anti-imigração contundente.

O influxo de trabalhadores temporários nas fazendas foi suspenso pelas restrições de viagens à Itália. O surto, que já matou mais de 29 mil pessoas, veio à tona em fevereiro.

A ministra do Interior, Luciana Lamorgese, está disposta a oferecer licenças temporárias para aproximadamente 200 mil imigrantes irregulares, que estão atualmente desempregados ou vivendo na economia informal para que trabalhem na agricultura, disseram fontes do ministério.

A medida também almeja ajudar no combate ao novo coronavírus. “Se alguém fica doente, precisamos examiná-lo, e é difícil fazer isso se nem sabemos seu nome”, disse a fonte.

Cerca de 560 mil dos 6,2 milhões de imigrantes que moravam na Itália em 2019 eram ilegais, conforme o relatório anual mais recente da Fundação Ismu, um centro de estudos especializado em questões migratórias. A regularização provavelmente será incluída em um decreto mais abrangente que visa estimular a economia e que o governo espera aprovar ainda nesta semana.

Fonte: Da Redação Namidia News com informações de CNN

Comente com Facebook