Nove em cada 10 brasileiros desejam mundo mais justo e sustentável pós-pandemia

Estudo revela também insatisfação no âmbito pessoal: 83% dos ouvidos no país querem mudança significativa na própria vida ao fim da crise.

Entre 10 pessoas no Brasil, praticamente nove anseiam por uma mudança em larga escala. É o que mostra a pesquisa “How much is the world yearning for change after the Covid-19 crisis?”, realizada pela Ipsos para o Fórum Econômico Mundial. Nela, 89% dos entrevistados brasileiros concordaram com a frase: eu quero que o mundo mude significativamente e se torne mais sustentável e justo, em vez de voltar a ser como era antes da crise de Covid-19. No entanto, o estudo foi conduzido com 21 mil pessoas de 28 países.

Globalmente, 86% querem um mundo diferente ao fim da crise sanitária. As nações cujos respondentes mais desejam mudança são, majoritariamente, latinas: Colômbia (94%), Rússia (94%), Peru (93%), Chile (93%) e México (93%). Por outro lado, Coreia do Sul (73%), Alemanha (78%), Holanda (79%), Estados Unidos (79%) e Japão (82%) são as que menos concordam com a afirmação. Embora os índices também sejam altos.

Mundo novo, vida nova

Em consonância com o desejo de um novo mundo, mais justo e sustentável, está a vontade dos brasileiros em traçar novos caminhos na vida pessoal. Segundo dados do levantamento, 83% querem que suas vidas mudem significativamente, em vez de voltar a ser como era antes da pandemia. No entanto, na média global, 72% compartilham dessa ânsia por mudança.

Os entrevistados que mais querem alterações significativas em suas vidas pessoais são os mexicanos (89%), colombianos (88%), sul-africanos (86%), peruanos (86%) e os sauditas (86%). Já na Holanda (51%), Alemanha (51%), Coreia do Sul (56%), Japão (57%) e Suécia (57%), pouco mais da metade dos ouvidos gostariam de mudanças em suas vidas ao fim da crise.

A pesquisa on-line realizada com 21 mil adultos de 28 países, sendo mil representantes brasileiros, entre os dias 21 de agosto e 04 de setembro de 2020. A margem de erro é de 3,5 p.p..

Fonte: Namidia News, com informações de Ipsos.

Comente com Facebook