Após telefonema com Bolsonaro, médica de Porto Seguro é demitida de hospital do estado

Dra. Raissa Soares
(Foto: Reprodução/Instagram)

Na noite da última quarta-feira (01), a médica Raissa Soares foi surpreendida com a notícia de não renovação do seu contrato junto ao hospital HDLEM em Porto Seguro.

A médica atua na linha de frente do Covid-19 e é responsável pelo desenvolvimento, juntamente com sua equipe, de um Protocolo Médico dividido em 3 etapas. Dessa forma, ele vem apresentando resultados surpreendentes na luta contra a pandemia do novo coronavírus na cidade.

No comunicado oficial, foi alegado que a Dra. já estava com o contrato vencido, portanto não poderia mais atuar junto ao Hospital Luis Eduardo Magalhães de Porto Seguro, que tem sua administração sob a responsabilidade do Governo do Estado.

Hidroxicloroquina

A Dra. Raissa, especialista em Clínica Geral, UTI e Centro de Terapia Intensiva, utiliza um protocolo para uso ambulatorial da hidroxicloroquina a fim de tratar pacientes com sintomas iniciais de Covid-19. Desde que a notícia do tratamento se espalhou, a médica tem sido procurada por dezenas de pacientes e médicos dos municípios do Sul da Bahia, mas têm tido dificuldade em obter o medicamento.

Nas últimas semanas, ela já viu centenas de vidas serem salvas pelo uso precoce da hidroxicloroquina. “Os resultados estão aí. É possível controlar a doença, basta a gente tratar na fase precoce”, diz a médica. No entanto, o medicamento sumiu de todas as farmácias e não está mais disponível na rede ambulatorial do município. “Só com o uso da hidroxicloroquina conseguiremos evitar o colapso do sistema de saúde.”

Uma campanha nacional foi desencadeado para que o protocolo ambulatorial fosse adotado em todas as unidades de combate à Covid-19 no Estado e no Brasil; e pelo fato de se tratar do uso da hidroxicloroquina sofria resistência de alguns segmentos médicos, que são pressionados pelo então Governador Rui Costa para que a medicação não seja utilizada.

A prefeitura de Porto Seguro foi a unica do estado a aprovar o uso de hidroxiclorquina no combate a Covid-19.

Chamada de vídeo com Bolsonaro

Na noite de terça feira, antes de participar de uma Live promovida pelo empresário Paulinho Toa Toa, onde estariam presentes o Ex Senador Magno Malta e Dra. Raissa, a mesma foi surpreendida por uma chamada de vídeo inesperada, o presidente Jair Bolsonaro atendeu ao apelo feito pela médica de Porto Seguro. Ela solicitou o envio da cloroquina ao extremo Sul da Bahia. 

Raissa Soares tinha contrato com o hospital Eduardo Magalhães em Porto Seguro. Ativa nas redes sociais e utilizando como ferramenta para divulgar sua luta pela manutenção da vidas das pessoas, ela gravou um vídeo nessa terça-feira (30), explicando a situação da saúde no município e fazendo um apelo para que o presidente ajudasse. Dessa forma, muitas pessoas compartilharam o vídeo nas redes sociais, que rapidamente chegou ao destinatário.

O presidente da República respondeu a médica pessoalmente, em uma chamada de vídeo, no mesmo dia da postagem feita nas redes sociais. Assim, em sua página no Instagram, a Doutora compartilhou fotos do momento e agradeceu ao presidente pela ajuda. “O herói @jairmessiasbolsonaro atendeu!!”, escreveu Raissa na legenda de seu post.

Ademais, a médica disse, em seu vídeo, que a Cloroquina tem ajudado na recuperação de pacientes com a Covid-19. “As pessoas estão salvas até agora, quem seguiu o protocolo não morreu” explicou a doutora.

Atualização – Leia a nota do HRDLEM:

O Hospital Regional Deputado Luis Eduardo Magalhães (HRDLEM), situado em Porto Seguro e administrado pelo Instituto de Gestão e Humanização (IGH), esclarece que a médica Raissa Soares fez parte do quadro clínico da Unidade com carga horária reduzida, cumprindo apenas com 2 plantões mensais.

Dra Raissa foi admitida há 1 ano, e agora, diante dos fluxos de renovação contratual, o setor responsável procurou a profissional, esclarecendo a necessidade de aumento da carga horária, tendo em vista que necessitamos de plantonistas com maior disponibilidade.

Diante disso, a própria médica, optou pela não renovação do contrato, com a justificativa da grande demanda de trabalho nesse período de enfrentamento ao Coronavírus, onde ela é diretora da UPA e tem priorizado também os atendimentos em um Hospital particular.

A diretoria do HRDLEM lamenta essa deturpação dos fatos. A abordagem foi para ampliação da jornada, uma vez que a escala vem necessitando de reforços. A profissional no entato, reconheceu suas dificuldades frente aos compromissos externos que executa, e compreendemos o seu relevante papel. Reitero que o nosso compromisso é com a saúde da população.

Fonte: Da Redação Namidia News com informações de agazetta

Comente com Facebook