Em meio à pandemia, hackers atacam OMS

Prédio da Organização Mundial da Saúde

No início deste mês, hackers de elite tentaram invadir sistemas da Organização Mundial da Saúde (OMS), conforme a agência Reuters. De acordo com um importante funcionário da entidade, houve um aumento de mais de duas vezes nos ataques cibernéticos contra a entidade.

O vice-presidente de Segurança da Informação da OMS, Flavio Aggio, disse que a identidade dos hackers não está clara e que a tentativa de invasão não obteve sucesso. Ele alertou que as ações de hackers contra a agência e seus parceiros dispararam em meio à campanha do órgão global para combate ao coronavírus.

A tentativa de invasão da OMS foi revelada por Alexander Urbelis, especialista em segurança cibernética e advogado do Blackstone Law Group de Nova York, que monitora atividades suspeitas em registros de domínios da internet.

Urbelis disse que notou a atividade por volta de 13 de março, quando um grupo de hackers que ele monitorava ativou um site malicioso que imita o sistema de email interno da OMS.

“Percebi rapidamente que se tratava de um ataque à Organização Mundial da Saúde”, afirmou.

Urbelis disse que não sabia quem era o responsável, mas duas outras fontes suspeitam de um grupo avançado de hackers conhecido como DarkHotel. Esse grupo realiza operações de espionagem cibernética desde pelo menos 2007.

De acordo com Aggio, da OMS, o site descoberto por Urbelis havia sido usado na tentativa de roubar senhas de vários funcionários da organização.

Motivos

Os motivos do ataque não são claros. Agências das Nações Unidas, entre elas a OMS, são alvo regular de campanhas de espionagem digital. Aggio se recusou a dizer quem exatamente na entidade os hackers estavam tentando atacar.

Empresas de segurança cibernética, incluindo a Bitdefender, da Romênia, e a Kaspersky, com sede em Moscou, disseram ter localizado muitas das operações do DarkHotel no leste da Ásia – uma área que foi particularmente afetada pelo coronavírus. Alvos específicos incluíram funcionários governamentais e executivos de empresas de países como China, Coreia do Norte, Japão e Estados Unidos.

Costin Raiu, chefe de pesquisa e análise global da Kaspersky, não pôde confirmar que o DarkHotel era responsável pelo ataque contra a OMS. Mas disse que a mesma infraestrutura maliciosa foi usada para atacar outras organizações humanitárias e de saúde nas últimas semanas.

“Em momentos como este, qualquer informação sobre curas, testes ou vacinas relacionadas ao coronavírus não tem preço e é a prioridade de qualquer organização de inteligência de um país afetado”, afirmou.

Com informações de: Agência Brasil e Reuters

Comente com Facebook