Covid: 90% da população brasileira adulta está vacinada com a primeira dose

mJá são mais de 142 milhões de brasileiros que começaram o ciclo vacinal, o que coloca o Brasil cada vez mais perto do fim pandêmico da doença.

A Campanha Nacional de Vacinação contra Covid-19 do Ministério da Saúde é a principal prioridade e estratégia do Governo Federal para frear a doença no Brasil. Nesta terça-feira (21) o país superou mais uma importante marca: já são 142,2 milhões de brasileiros adultos vacinados com ao menos uma dose dos imunizantes, o que corresponde a mais de 90% da população.

“O segredo do sucesso é caminharmos juntos, União, Estados, DF, municípios e população, seguindo sempre o nosso Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação. Só assim vamos conseguir vencer o nosso único inimigo, que é o vírus”, destacou o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

Os avanços das aplicações das doses 1 e 2 nos braços dos brasileiros são reflexo da ampla adesão da população à campanha de vacinação e trazem consigo uma situação epidemiológica cada vez mais confortável ao país. As ações trazem resultado e geram sentimento de confiança, segurança e esperança de um recomeço seguro.

Também reflexo do ritmo acelerado de vacinação, a média móvel de mortes segue o padrão de mais de 70% de queda registrado desde junho e chegou a 510 nessa segunda (20). O índice é um balanço do número de óbitos registrados nos últimos 14 dias. As informações são reportadas ao Ministério da Saúde pelas Secretarias Estaduais de Saúde diariamente e atualizadas no sistema LocalizaSUS.

Além disso, a infraestrutura e a rede de assistência hospitalar também sentem os efeitos positivos da vacinação e registram dia após dia quedas nas taxas de ocupação dos leitos de Covid (enfermaria e UTI). No momento, mais de 20 estados brasileiros já apresentam taxas de ocupação nesses leitos abaixo de 50%, o que está dentro dos padrões de normalidade. Na prática, a baixa ocupação nos leitos quer dizer que o sistema de saúde está menos sobrecarregado e registrando menos casos graves ou gravíssimos da Covid-19, ou seja, situações que demandam internações ou intervenções médico-hospitalares.

“Vamos continuar avançando e contando com apoio de todos. Se continuarmos nesse ritmo, será possível vacinar todo público-alvo do país com as duas doses até o mês de outubro”, reforçou Queiroga.

Por Ministério da Saúde

Comente com Facebook