Consórcio Nordeste anuncia a suspensão da compra da vacina Sputnik V

Consórcio Nordeste anuncia a suspensão da compra da vacina Sputnik V
Doses da Sputnik V, vacina russa contra a Covid-19 (Foto: Andrey Rudakov/Fundo Russo de Investimento Direto/Reuters)

Nesta quinta-feira (5), o presidente do Consórcio Nordeste e governador do Piauí, Wellington Dias (PT), anunciou a suspensão da compra da vacina russa Sputnik V contra a Covid-19. A decisão aconteceu após reunião do grupo com o Fundo Soberano Russo.

O governador da Bahia, Rui Costa, se pronunciou sobre o caso nas redes sociais, e demonstrou revolta quanto ao fim do contrato. (confira a declaração completa no fim da matéria)

Assim, fica suspenso o acordo para o para o fornecimento de 37 milhões de doses do imunizante. De acordo com Wellington Dias, isso ocorreu após novas exigências da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), e a não inclusão da vacina no Plano Nacional de Imunização.

O primeiro lote continha cerca de 1 milhão de doses e teria como destino seis estados do Nordeste. Anteriormente, a entrega da carga estava prevista para julho.

“É lamentável, o Brasil vive uma situação com alta mortalidade, mais de mil óbitos por dia. Temos vacinas disponíveis, mas impedidas de entrar no Brasil devido uma decisão da Anvisa que faz uma alteração no padrão de teste, junto com a não inclusão pelo Ministério da Saúde no plano nacional de vacinação e a falta da licença de importação. Tivemos a suspensão da entrega da vacina até que se tenha uma autorização do uso do imunizante no Brasil”, afirmou Dias.

Dessa forma, conforme o Fundo Soberano Russo, as doses da Sputnik V que viriam para o Brasil irão para o México, Argentina e Bolívia.

Declaração de Rui Costa sobre Sputnik V

“Infelizmente, por conta de entraves tanto da Anvisa como Ministério da Saúde, o contrato que previa a entrega de 37 milhões de doses da vacina #SputnikV para estados nordestinos foi suspenso nesta quinta, em reunião com o Fundo Soberano Russo.

É absurdo e lamentável que os entraves da Anvisa tenham impedido o acesso de milhões de pessoas às vacinas, que já poderíamos estar aplicando desde abril. Com elas, muitas vidas teriam sido poupadas.

Nos antecipamos em buscar essas doses ainda em setembro do ano passado, atendendo à urgência em salvar vidas humanas. Urgência essa que infelizmente não foi compartilhada por outros agentes públicos.

O Fundo Soberano Russo informou que as vacinas que seriam destinadas para o Brasil serão enviadas agora para o México, Argentina e Bolívia, e que, assim que o Brasil decidir, as vacinas estarão disponíveis para envio imediato para atender à necessidade do povo brasileiro.”

Fonte: Da Redação Namidia News com informações de A TARDE

Comente com Facebook