Bahia negocia com a Rússia vacina contra Covid-19

Vacina russa contra a Covid-19
Bahia negocia com a Rússia vacina promissora contra Covid-19 (Foto: Reprodução/ TV Globo)

O Governo da Bahia continua fazendo negociações com a Rússia em relação a vacina que o país produz, a Sputnik V, contra a Covid-19. No mês passado, o governador Rui Costa já tinha falado sobre a vacina e da importância de estar em diálogo com os diversos fabricantes do produto.

Por causa do interesse, o governo assinou, na semana passada, um memorando de entendimento, para que os testes da fase três da vacina sejam feitos em 500 pessoas na Bahia. A previsão é que os voluntários comecem a receber as doses em outubro deste ano.

Caso a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprove a vacina, o estado baiano vai receber doses já prontas para a aplicação.

A Bahia vai receber doses prontas e não vai participar da produção da vacina. No entanto, a negociação prevê que todas as informações científicas da vacina russa sejam repassadas para a Fundação Baiana de Pesquisa Científica e Desenvolvimento Tecnológico, Fornecimento e Distribuição de Medicamentos (Bahiafarma).

Da mesma forma, o Paraná também tem negociado em relação a vacina da Rússia. A previsão é que os testes em voluntários comecem em um mês.

Boatos de insegurança

Anteriormente, no mês passado, o governador da Bahia, Rui Costa, chegou a comentar sobre boatos divulgados nas redes sociais. Eles diziam que a vacina russa não seria segura por causa da rapidez de produção.

Na ocasião, ele foi afirmou que todas as instituições que estão produzindo a vacina estão seguindo normas severas de controle. De acordo com ele, elas não permitiriam a aplicação de uma vacina que não fosse segura.

“Tem uma norma rígida internacional, organismos internacionais que controlam de forma muito rígida os testes de vacinas. Então, todas as instituições, sejam elas privadas ou públicas, de qualquer nacionalidade, têm que estar submetida a esse organismo internacional. Nós temos crença nas organizações internacionais e nessa forma de fiscalização. O rigor é muito grande, tem softwares, tem sistemas, tem fiscalização internacional, desse processo de elaboração de vacina, porque toda a humanidade usará e, portanto, poderá ter os benefícios”, ponderou o governador.

Além da negociação com a Rússia, o governo da Bahia também tem relações com outros produtores da vacina. Isso inclui a empresa alemã Pfizer, por meio da instituição Irmã Dulce, e pela americana de Oxford, no Hospital São Rafael. Na lista, há também negociação com a chinesa Sinopharm.

Fonte: Da Redação Namidia News com informações de G1

Comente com Facebook