Bahia assina acordo para distribuir até 50 milhões de doses de vacina russa contra Covid-19

Doses da Sputnik V, vacina russa contra a Covid-19
Doses da Sputnik V, vacina russa contra a Covid-19 (Foto: Andrey Rudakov/Fundo Russo de Investimento Direto/Reuters)

Nesta sexta-feira (11), o governo da Bahia e o Fundo de Investimentos Diretos da Rússia (RDIF) anunciaram a assinatura de acordo para o fornecimento de até 50 milhões de doses da vacina Sputnik V, a primeira contra o novo coronavírus registrada no mundo.

Dessa forma, o governo estadual poderá comercializar o imunizante em território nacional a partir de novembro. O governo pode fazer isso desde que os órgãos reguladores do país aprovem a vacina, por meio da Bahiafarma. Esta é uma fundação que atua na pesquisa científica e na produção e comercialização de medicamentos.

Pelo Twitter, o governador da Bahia, Rui Costa (PT), também celebrou a assinatura do acordo com o RDIF. “Acredito na ciência e estou confiante nos resultados. É mais um importante passo dado para salvar vidas humanas, mas ainda precisamos contar com o seu apoio. Evite aglomerações, #UseMáscara e não se esqueça de higienizar as mãos!”, escreveu.

Em nota, o secretário da Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas, afirmou que o governo “está muito satisfeito com o acordo (…) que garantirá o acesso à vacina Sputnik V para o povo brasileiro, assim que for aprovado pelo autoridades regulatórias nacionais”.

Adenovírus humano

Além disso, também em nota, a pasta destacou o fato de a vacina russa contra Covid-19 utilizar adenovírus humano. Esta é “uma plataforma para o desenvolvimento de vacinas que tem se mostrada segura ao longo de décadas, incluindo 75 publicações científicas internacionais e mais de 250 ensaios clínicos”.

“Estamos felizes de fazer uma contribuição tão importante na luta contra a pandemia fornecendo a vacina Sputnik V, segura e eficaz, para nossos parceiros no Brasil”, afirmou o CEO do RDIF, Kirill Dmitriev.

“A assinatura de acordos para fornecer a Sputnik V internacionalmente demonstra que muitos países reconhecem que vacinas com base no adenovírus humano são absolutamente indispensáveis para seu portfólio nacional de medicamentos”, completou.

O anúncio acontece dois dias depois de o RDIF anunciar a assinatura de contrato com a farmacêutica mexicana Landsteiner Scientific. O contrato foi feito a fim de fornecer 32 milhões de doses da Sputnik V. Além disso, em agosto o Paraná anunciou a assinatura de memorando de entendimento para testar e produzir a vacina russa. Assim, ao todo, Moscou já recebeu pedidos de 1 bilhão de doses da vacina.

Testes clínicos

A vacina Sputnik V está sendo avaliada, na fase 3 dos ensaios clínicos, em aproximadamente 40 mil pessoas em todo o mundo.

No Brasil, a Bahia, por meio do Comitê de Ética em Pesquisa do Instituto Couto Maia, submeterá à Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep) e à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) o pedido para testes clínicos em 500 brasileiros.

A expectativa do governo do estado é que os testes comecem já em outubro.

Fonte: Da Redação Namidia News com informações de CNN

Comente com Facebook