9 em cada 10 pessoas internadas com Covid-19 não se vacinaram, diz estudo

Saúde atribui causa da morte de adolescente em SP à doença autoimune e não à vacina

O Instituto de Infectologia Emílio Ribas, em São Paulo, divulgou um estudo que aponta que nove em cada dez pacientes internados com Covid-19 não se vacinaram. Conforme a pesquisa, a probabilidade de óbitos foi 14 vezes maior em pessoas sem a imunização, em comparação com quem estava com a vacinação completa.

O Serviço de Epidemiologia do hospital realizou a análise, coordenada pela médica epidemiologista Ana Freitas Ribeiro, ao longo de 2021. O estudo é uma amostra, e está em concordância com diversos outros estudos já publicados ao redor do mundo que afirmam que a vacina reduz quase 100% os casos graves da Covid-19.

“Quando o paciente é internado com gravidade, mesmo vacinado, a chance de morrer é muito grande. O que faz a diferença é quem não precisou de internação porque desafoga o sistema. Metade dos casos não vacinados precisaram de UTI”, diz a médica Ana Freitas Ribeiro.

Dados

De janeiro até a primeira quinzena de setembro deste ano, 1.172 pessoas foram internadas por SRAG (Síndrome Respiratória Aguda Grave) associada à Covid-19 no Emílio Ribas. Deste total, afirma o estudo, 1.034 não tinham recebido nem a primeira dose da vacina.

Na pesquisa, foram consideradas vacinadas aquelas pessoas que tinham recebido a segunda dose há mais de 14 dias.

Apenas 138 pacientes tinham tomado pelo menos uma dose da vacina. Destes, 85 haviam sido imunizados com apenas uma dose e 53 estavam com o esquema vacinal completo (duas doses ou dose única).

Outra análise mostrou que os pacientes que evoluíram para formas mais graves da Covid-19 eram pessoas com mais de 50 anos e com algum tipo de comprometimento do sistema imunológico. O menor grupo foi o de jovens de 19 a 29 anos, representando 5% do total de pacientes (57 pessoas).

“As vacinas precisam terminar o seu esquema. Com uma dose você não está protegido. A grande maioria que precisou de internação e que estava com o esquema vacinal completo tinha comorbidade ou mais de 60 anos. Isso nos chama a atenção para a necessidade da dose de reforço”, afirma a médica Ana Freitas Ribeiro.

Entre aqueles que tinham esquema vacinal completo, não houve paciente na faixa etária de 19 a 29 anos, e 77% do total de internados tinham mais de 60 anos. Nestes casos, 83% tinham doenças pré-existentes.

Desde meados de setembro, o Ministério da Saúde distribui aos estados doses extras para vacinar, de forma complementar, idosos acima de 60 anos e imunossuprimidos. De acordo com dados do governo federal, já foram vacinadas quase 2 milhões de pessoas com a dose de reforço em todo país.

Delta

Logo quando surgiu, em meados de 2021, havia uma grande preocupação com a variante Delta e uma possibilidade de que o Brasil pudesse ter um novo avanço da doença. Entretanto, o estudo aponta que a vacinação funcionou para conter a mutação do coronavírus.

“Existia esse alarmismo da Delta, mas ela tinha uma forte concorrente aqui, a Gama. Também encontrou um cenário de vazio, com muitas pessoas vacinadas há menos de seis meses”, disse Renato Kfouri, diretor da Sociedade Brasileira de Imunizações.

Atualmente, cerca de 1 milhão de doses de vacina são aplicadas todos os dias. Um reflexo do avanço da imunização é a desaceleração do número de óbitos. Entre as marcas de 400 mil mortes e 500 mil mortes foi um intervalo de 51 dias. Já entre 500 mil e 600 mil – alcançada na sexta-feira (8) – foram 111 dias.

De acordo com um levantamento feito pelo Ministério da Saúde, aproximadamente 17 milhões de brasileiros estão com o ciclo vacinal em atraso. Na opinião de Kfouri, isso não compromete a imunidade coletiva.

“Em outros esquemas vacinais o número de pessoas com doses atrasadas também representa cerca de 10%. Nós temos uma cobertura muito elevada. Individualmente eles estão menos protegidos, mas impactam pouco no todo”, diz.

Fonte: Da Redação Namidia News com informações de EXAME

Comente com Facebook