Promotor acusado de agredir juíza pagará R$ 1 mil em cestas básicas

O promotor Dioneles Leones Santana Filho, acusado de agredir a juíza Nêmora de Lima Jansen, de 35 anos, no dia 23 de fevereiro de 2012, no município de Porto Seguro, fechou um acordo com Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA), pelo qual terá que pagar R$ 1 mil em cestas básicas. Com isso, ele encerra o assunto no campo jurídico/criminal, mas ainda pode responder na esfera civil.

De acordo com o promotor Valdomiro Macedo, o processo pode continuar porque não houve, neste caso, acordo entre as partes. “A pessoa agredida sequer participa deste tipo de reunião (que estipula a multa), por isso, caso a juíza decida ingressar com uma ação na Justiça, se é que ela já não fez isso, ele pode ser condenado, por exemplo, a pagar uma indenização por danos morais”, afirmou ao Aratu Online.

Segundo ele, a definição pelo valor de R$ 1 mil foi tomada tendo como base do laudo da perícia técnica, que constatou que a agressão foi de natureza leve. Ele ainda responde por um processo administrativo pela Corregedoria do setor Judiciário, que deve ser definido nos próximos meses.

A confusão entre as partes teria começado quando Nêmora estava no camarote da arena Axé Moi, durante o carnaval de Porto Seguro e, subitamente, foi agredida com chutes, socos e empurrões pelo promotor. O seu namorado, o advogado Leonardo Wishart, de 27 anos, que tentou defendê-la, também ficou ferido.

As vítimas registraram queixa na delegacia de Proteção ao Turista de Porto Seguro (Deltur) e foram encaminhadas para o departamento de polícia técnica, onde fizeram exames de corpo de delito. As possíveis razões para as agressões não foram divulgadas. (Blog Liberdade 104 FM)

Comente com Facebook