Home CIDADES Produtora de festival indígena acusa Superintendência de Cultura de Porto Seguro de...

Produtora de festival indígena acusa Superintendência de Cultura de Porto Seguro de plágio

A agente de cultura e produtora do Festival de Musica Indígena Awê, divulgou uma nota de repúdio à superintendência de cultura, ao sub secretário Sergio Couto e ao Gestor de Cultura de Porto Seguro, Herculano de Assis.

No documento, ela os acusa de plágio e de usar a máquina pública para agir de forma autoritária e terem usado de concorrência desleal na questão do projeto Festival de Música Indígena Awê encaminhado à Casa da Lenha em Janeiro de 2021, e ao Sindicato dos musicos SINDMAEB em dezembro de 2020.

Saiba mais do caso na nota abaixo, na íntegra:

Nota de Repudio: Eu Nelma Melo da Silva, agente de cultura, produtora do Festival de Musica Indígena Awê, venho por meio expressar meu repúdio à superintendência de cultura, ao sub secretário Sergio Couto e respectivamente ao Gestor de Cultura de Porto Seguro Herculano de Assis. Por terem agido de forma plágios, usando a máquina pública para agir de forma autoritária e usando de concorrência desleal na questão do projeto Festival de Música Indígena Awê encaminhado à Casa da Lenha em Janeiro de 2021, e ao Sindicato dos musicos SINDMAEB em dezembro de 2020. Onde o então presidente, se dispôs à colaborar com a realização do Festival Awê, o quê tem a programação para o dia 19 de abril, dia do indio, com seu conteúdo exposto à prefeitura essa por sua vez distorceu o projeto é plagiou os elementos centrais do seu conteudo, não dando credito nem reconhecimento à produção indígena na primeira pessoa é sim colocando o indio em segundo plano, como mero coadjuvante do 22 de abril, ano de início dos massacres, dos estupros, da escravidão o e principalmente da retirada das terras indigenas. Quê começou com uma missa simbolizando a dominação religiosa e a ditadura eurocentrica e machista e escravagista, criando o Brasil uma associação de piratas lacaios internacionais que espoliaram os povos das Américas, escravisando os e exterminado a quem não se ajoelharam perante seus reis. Fazendo do Brasil o maior posto escravagista do mundo por isso nós povos indígenas filhos de PINDORAMA não temos o quê comemorar no dia 22 de abril, esse projeto nefasto quê suga as nossas vidas, nossos alimentos, nossa terra, nossa energia, em fim as nossas almas. Mas ainda assim acreditamos em uma terra sem males onde a mãe terra é respeitada e não o pai amado Brasil patriarcal. e o Festival de Música Indígena Awê é para celebrarmos a nossa grande e generosa mãe quê nos gerou, nos alimentos em fim nos amou! não um Brasil onde a fome e a morte impera desde 1521. Mas a nova terra esta sendo parida, e os homens maus e egoistas, piratas e capangas de pseudos fazendeiros, não terão lugar nela para tratar a todos como gado tocados de um lado para o outro é encaminhados para o abate.
Nelma Melo da Silva coordenadora da
Associação de Agentes de Cultura de Porto Seguro 01 de Maio de 2021.

Da Redação Namidia News

Comente com Facebook