Fake news “HDLEM de portas fechadas” assusta população de Porto Seguro

Na tarde desta quinta-feira (22), uma mensagem foi veiculada nas redes sociais alertando a população de Porto Seguro sobre o Hospital Deputado Luís Eduardo Magalhães estarem de portas fechadas.

A disseminação da notícia falsa aterrorizou a população de maneira irresponsável, em poucas horas diversos grupos de WhatsApp compartilharam a mensagem causando impactos negativos.

“Boa Noite colegas!
Venho informar que a porta do HDLEM esta fechada temporariamente.

Em nota oficial pela direção da emergência do HDLEM, foi declarado superlotação do Hospital Luiz Eduardo Magalhães

Não há leitos de Semi, não há leitos disponíveis no PS e não há ponto de oxigênio disponivel

Portanto teremos de dar o suporte até regularização da situação

SAMU ciente da superlotação

Conto com colaboração de todos.”

O HDLEM, que atende a oito municípios da Região, está nesse momento com superlotação e atenderá somente casos de Urgência, para que assim possa liberar novos leitos e voltar a normalidade.

Na última sexta-feira (16), o diretor técnico da Unidade fez um alerta à população, para que continuem com os cuidados e prevenir a doença.

“Estamos notando um aumento dessa taxa de ocupação nas últimas duas semanas”, conforme Rodrigo Carvalho. “Peço aqui à população que mantenha suas medidas de prevenção, evitem aglomerações, mantenha o uso de máscaras e higienização das mãos.
O cenário começa a nos preocupar novamente, e aqui eu venho fazer um alerta, realmente, à população”, diz o diretor técnico da Unidade, em vídeo.

A equipe do Namidia News, entrou em contato com a assessoria de comunicação do HRDLEM para esclarecer a real situação da Unidade de Saúde:

“A Unidade está passando por um período de lotação. O município foi notificado no intuito de suprimir a demanda de casos não urgentes para outras Unidades, a exemplo das UPA’s.
O Hospital Luis Eduardo nunca esteve de portas fechadas, o alerta no momento é porque somente poderemos atender a casos de emergência. A demanda espontânea, de casos leves deverá ser conduzida a outros locais, para que tenhamos tempo para reorganizar e dar vazão aos leitos.”

O repentino retorno do aumento da taxa de ocupação está de acordo com o também recente registro feito pela OMS da nova onda do novo coronavírus (Covid-19) em todo o mundo.

O governador Rui Costa sancionou a lei estadual nº  14.268 que combate a fake news na Bahia.

Quem divulgar e compartilhar notícias falsas sobre epidemias, endemias e pandemias no estado pode ser punido com uma multa que varia entre R$ 5 e R$ 20 mil.

A multa vale para os responsáveis por elaborar, divulgar e utilizar softwares ou outros mecanismos para o compartilhamento em massa de fake news, sendo que os valores podem ser duplicados em caso de reincidência ou se a ação for feita por funcionários públicos.
Se este servidor usar a estrutura pública, está sujeito ao quádruplo do montante. Os valores da multa serão utilizados no combate à pandemia do novo coronavírus.

Confira o último boletim epidemiológico atualizado pela Secretaria de Saúde, na tarde da última quarta-feira (21).



Como combater as fake news?

As fake news são um perigo para a população, sendo eles desde problemas mais imediatos, como acusações falsas sobre alguém — e que podem causar algum dano físico, psicológico ou problemas mais amplos.

Assim, para que o erro não acabe se tornando um grande pesadelo, é importante que haja um esforço coletivo e contínuo de análise das informações.

É fundamental saber filtrar as mensagens recebidas, analisar com calma o tipo de fonte, o que o conteúdo propõe, se há links extras para apoiar as reivindicações do texto e quem escreveu.

Todo texto tem uma intencionalidade, todo autor tem o propósito inicial de transmitir algo. Assim, é essencial saber qual foi o objetivo do autor, do veículo no qual a notícia aparece, e quais são as proposições do veículo em si. Dessa forma, diminui-se o estrago que fake news podem vir a causar.

Portanto, embora o combate a esse tipo de prática seja uma ação muito difícil, a se considerar a dificuldade em identificar os responsáveis pela veiculação das notícias falsas, é importante ter em mente o cuidado para identificar conteúdos duvidosos.

Namidia News

Comente com Facebook