Coordenadora de Endemias comenta denuncia de focos da dengue em guincho no Cambolo

11146017_1090670980948928_1215008874_n

Nesta segunda-feira, 27, chegou à nossa redação a denúncia de um leitor dando conta de que há focos de dengue em um guincho localizado próximo ao Hospital Luís Eduardo Magalhães, no bairro Cambolo.

Nas fotos enviadas por ele é possível ver vários veículos em um pátio sem cobertura ou proteção. Para falar sobre as providências tomadas em casos como este, procuramos a coordenadora de Endemias em Porto Seguro, Tássia Lobo.

Ela explicou que locais como guinchos, oficinas e borracharias, onde a chance de infestação do mosquito aedes aegypit é maior, são considerados Pontos Estratégicos (PE) e recebem uma abordagem diferenciada da que é realizada nos domicílios.

Nas casas os agentes aplicam larvicídas nos possíveis focos encontrados, já em pontos estratégicos é utilizado um inseticida específico com o auxílio de bomba costal, além do fumacê.

“A cada 15 dias uma equipe nossa visita este guincho, faz uma vistoria e esvazia a água acumulada nos materiais. Depois disto é aplicado o inseticida. Como tivemos casos suspeitos de dengue no Cambolo, o fumacê foi intensificado”.

Tássia destacou que as campanhas de conscientização sobre a dengue realizadas no município foram satisfatórias e contribuíram na diminuição de casos. Em relação ao mesmo período do ano passado houve uma queda de 20% nas notificações da doença. O índice de infestação atual em Porto Seguro é de 1,1.

“Estamos em alerta, mas nossa situação é tranquila. A Secretaria está fazendo a parte dela, mas é preciso que a população ajude. Em casos como este, por exemplo, a equipe visita o local de quinze em quinze dias seguindo as diretrizes nacionais do SUS. Porém no dia seguinte ao procedimento se chover e a água ficar acumulada o ambiente estará propício à proliferação de novo”.

A coordenadora falou também sobre o Disque Denúncia, criado especificamente para focos de dengue. Qualquer pessoa pode ligar para o (73) 3288 1542 e informar o endereço onde exista um possível foco.

“A pessoa não precisa se identificar. Feita a denúncia uma equipe de operação especial de combate a dengue irá até o local realizar o bloqueio do foco. Essa interação com a comunidade é importantíssima e nos ajuda muito”.

Patrícia Lopes – Namídia Comunicação
Foto: internauta NamidiaNews

Comente com Facebook