VÍDEO: Mulher xinga dono de açaiteria de “macaco preto” no DF

Paulo Vitor Silva Figueira, dono de um quiosque de açaí em Taguatinga, no Distrito Federal, foi alvo de um ataque racista. O caso aconteceu na última segunda-feira (9) e a responsável pelas ofensas foi uma cliente.

O empresário registrou o momento dos ataques, ao gravar as ofensas pelo celular.

No vídeo gravado por Paulo, podemos escutar a mulher dizendo: “Faz meu açaí (…) Quem manda aqui sou eu (…) Você está na minha cidade”. Ele, então, diz que não a atenderia. A mulher brigou, sentou em uma cadeira do local e, quando ouviu novamente que não seria atendida, respondeu “veremos”.

Paulo Figueira contou que a cliente queria o açaí sem banana, mas o açaí vendido por ele é previamente batido com banana e xarope de guaraná. Quando o vendedor informou as condições do produto para a mulher, foi xingado.

À Globo, Paulo afirmou que nunca tinha passado por um constrangimento como esse. “Nem pessoal, nem na loja. Não tinha presenciado nada perto disso”, disse. O vendedor contou ainda que não é a primeira vez que a mulher vai ao local e, na região, ela é conhecida por tratar mal as pessoas.

O empresário ainda disse ainda que pretende registrar um boletim de ocorrência contra a mulher.

Injúria racial e racismo

O Distrito Federal registrou 101 ocorrências de injúria racial no primeiro bimestre de 2022, segundo dados da Secretaria de Segurança Pública do DF (SSP). Em relação a casos de racismo, foram duas ocorrências registradas em Brasília.

Conforme a legislação brasileira, o crime de racismo é aplicado quando a ofensa discriminatória é contra um grupo ou coletividade. Por exemplo, impedir que negros tenham acesso a estabelecimento comercial privado.

Já com base no Código Penal, injúria racial se refere a ofensa à dignidade ou decoro, utilizando palavra depreciativa referente a raça e cor com a intenção de ofender a honra da vítima.

O registro desses crimes pode ser feito em qualquer delegacia ou na Delegacia Especial de Repressão aos Crimes por Discriminação Racial, Religiosa ou por Orientação Sexual ou contra a Pessoa Idosa ou com Deficiência (Decrin).

Fonte: Da Redação NamidiaNews com informações de Yahoo