Sem alimento por uma semana, cães comem corpo da dona

Cães
Grupo de proteção aos animais busca novos lares para cães que ficaram sem a dona (Foto: Divulgação)

Um caso de amor aos animais terminou de forma muito triste em Vargem Grande. Sozinha e sem família em uma casa com seus 27 cachorros, Dona Sandra, 68 anos, sofreu um infarto e não respondeu mais às mensagens de WhatsApp entre os dias 22 e 23 de outubro. Mas somente em 1º de novembro os vizinhos chamaram os policiais, suspeitando haver algo de errado com o sumiço, onde estes encontraram seu corpo. Estava mutilado pelos cães, que ficaram sozinhos e sem comida por cerca de uma semana.

O cenário de terror na casa ainda tinha um problema a ser resolvido: a questão dos animais, que foram encontrados muito magros e com medo. Alguns vizinhos queriam sacrificá-los, mas a maioria buscou salvá-los. Grupo G.A.R.R.A. (Garra Animal) foi chamada e desde terça-feira (3/11) vem trabalhando para ajudar os cachorros.

“A história abalou todo mundo. No domingo um vizinho reparou os cães brigando e viu que tinha algo de errado. Chamou a polícia e quando entraram encontraram o corpo, boa parte dele comido. A casa estava insalubre, com cheiro horroroso, parecia filme de terror, ainda com restos mortais. Muito chocante e trágico. Pode acontecer com qualquer pessoa que trabalha na nossa causa. Por isso, tínhamos que fazer alguma coisa, dar um jeito de ajudar”, afirmou Renata Pietro, fundadora e presidente da G.A.R.R.A.

Além de garantir alimentação e cuidar dos mais debilitados, a Garra Animal também fez a limpeza da casa e retirou parte do entulho para que os 27 cães pudessem ficar no local provisoriamente, já que o sítio do grupo não podia receber tantos. Desde então 10 já encontraram um novo lar e a busca por mais pessoas dispostas a adotar ou, pelo menos garantir um lar temporário, continua.

“Encontramos os animais muito apavorados e magros. Cuidamos de todos, em especial dos mais debilitados. Agora eles precisam de um novo lar, que lhes dê carinho. Fizemos a limpeza para deixar o local minimamente habitável para os animais, enquanto não conseguimos as adoções”, explicou Renata.

Além dela, outros voluntários, e veterinários contratados, têm ido ao local diariamente a fim de cuidar e dar um pouco de carinho aos cães, além de gravar vídeos para apresentá-los nas redes sociais em busca da adoção. Quem adota, já os recebe com banho tomado e exame de sangue feito.

E para aqueles que ainda têm dúvida em função da história, Renata apela para que as pessoas considerem que houve um caso extremo de sobrevivência, ressaltando que desde que estão lá os animais têm se mostrado muito dóceis e carinhosos com as pessoas.

“Eles estavam sozinhos e famintos. Pessoas já comeram carne humana para sobreviver, como naquela vez que caiu um avião nos Andes e ficaram dias perdidos. Esses animais são dóceis, sofridos e assustados. Sabem reconhecer as pessoas e tenho certeza que a Dona Sandra, onde estiver, vai estar aliviada quando todos encontrarem um novo lar”, completou.

De acordo com vizinhos, Dona Sandra era uma pessoa carinhosa, muito comunicativa e gostava de ajudar as pessoas e os animais. Entretanto, não tinha família e o único contato mais próximo era com o ex-marido.

Fonte: Da Redação Namidia News com informações de O Dia

Comente com Facebook