O presente que a pesquisa CNI/Ibope deu para Bolsonaro

Sem saber ainda se vai ter que responder por escrito ou sentar-se na frente de um delegado da Polícia Federal para prestar depoimento na qualidade de investigado, o presidente Jair Bolsonaro ganhou, no campo político, motivos para compensar as agruras que ainda passa na esfera judicial. Se no STF ainda pende sobre ele a acusação de ter interferido na Polícia Federal F para proteger seus familiares, a mais recente pesquisa CNI/Ibope mostra ao presidente que conseguiu reverter a queda de popularidade. Agora, o percentual de gente que vê seu governo com bons olhos está com viés de alta.

No detalhe dos números, Bolsonaro tem, agora, 50% dos entrevistados apoiando sua maneira de governar. O Bolsonaro de momento não é o que esbraveja na portaria do Alvorada nem compartilha imagens de hienas associadas a instituições públicas. O presidente com aumento na aprovação é o que distribuiu o auxílio emergencial na pandemia. Talvez por isso seus indicadores também apresentaram melhora no Nordeste, região onde seus índices são mais baixos.

Segundo o instituto de pesquisa, a popularidade do presidente cresceu entre os entrevistados com grau de instrução até a oitava série da educação fundamental, entre os de renda de até um salário mínimo e também entre residentes de periferias.

Olhando apenas para o universo da população que está na base da pirâmide de renda, o governo de Bolsonaro passou a ser bem avaliado por 35% dos entrevistados. Na edição anterior da pesquisa, em 2019, esse percentual era de 19%. O presidente ganhou de presente uma boa notícia e fôlego para continuar adotando o figurino comedido, mesmo associado à imagem do governante que anda de braços dados com aliados que execrava durante a campanha em 2018.

Fonte: O Globo

Comente com Facebook