Mãe confessa ter matado filhas e acha que as livrou de um mal maior

Izadora Alves de Faria, de 30 anos, confessou a policiais militares que matou as duas filhas, Maria Alice, de 6, e Lavínia, de 10, em Edéia, no sul de Goiás.

Após pouco mais de seis horas de busca com ajuda de cães farejadores, a Polícia Militar encontrou a mulher em um matagal da região. Ela foi levada até a delegacia e confessou o crime.

Segundo o delegado, ela assumiu a autoria das mortes, disse que tentou dar veneno às meninas, mas a substância não surtiu efeito. Depois, ela as colocou em uma caixa d’água e ligou uma extensão para tentar eletrocutá-las, o que também não funcionou.

“Como ela viu que não ia dar certo, ela afogou as duas crianças. Depois que as crianças estavam desacordadas, ela tirou as duas da caixa d’água, colocou no colchão e, para se certificar que ela tinha matado as duas crianças, deu um golpe de faca, em cada uma delas”, explicou Gonçalves de Moura.

À polícia, a suspeita também afirmou que tentou cometer suicídio após o crime, tomando veneno e se ferindo com arma branca.

“Na cabeça dela, a mulher tinha feito um bem para as crianças. Ela acha que livrou as meninas de viver uma vida que ela viveu”, disse o delegado. A Defesa da mulher ainda não se manifestou sobre o caso.

A mulher foi levada a uma penitenciária feminina no município de Goiás e está à disposição da Justiça. Ela foi indiciada por duplo homicídio qualificado. Segundo o delegado, o fato das meninas serem menores de 14 anos e filhas dela são agravantes que podem fazer com que a pena de prisão da suspeita chegue aos 100 anos.

Em nota, a prefeitura municipal de Edeia lamentou a morte das duas crianças, identificadas como Maria Alice e Lavínia. “Nos compadecemos da dor da família e amigos, neste momento tão difícil e de tanto sofrimento”, afirmou o órgão em nota.

Fonte: Uol e g1

Comente com Facebook