Grito dos excluídos faz ato contra preconceito, por trabalho e moradia

A 26ª edição do Grito dos Excluídos reuniu, na manhão de hoje (7), representantes de partidos de oposição e de movimentos indígenas, negros, feministas e LGBT no centro de Brasília. No entanto, o tema desta edição foi Basta de Miséria, Preconteito e Repressão! Queremos Trabalho, Terra, Teto e Participação

Eles fizeram um ato cênico às 9h no canteiro central da Esplanada dos Ministérios, entre o Teatro Nacional e o Museu da República. No entanto, a performance durou cerca de uma hora.

Durante o ato, os manifestantes inflaram um boneco do presidente Jair Bolsonaro. Um grupo de mulheres tinha as mãos cobertas de tinta vermelha para denunciar a violência de gênero. Além disso, outro grupo usava máscaras de ratos em protestos contra a corrupção e o que consideram tentativas de rasgar a Constituição. Um jovem interpretou um Cristo negro, cravejado de balas, para denunciar a violência urbana.

Logo depois que o Grito dos Excluídos encerrou o ato, e os manifestantes se dispersaram, por volta das 10h, um pequeno grupo de apoiadores de Bolsonaro concentrou-se em frente ao Museu Nacional da República. De lá, marcharam até a Praça dos Três Poderes. Pouco antes da Catedral de Brasília, a Polícia Militar revistou os manifestantes, orientando para o uso de máscaras e confiscando suportes de madeira e de metal usado em faixas e bandeiras.

De acordo com a organização, o Grito dos Excluídos reuniu cerca de 200 pessoas. No entanto, a Polícia Militar, não estimou o número de participantes. Os dois protestos, contra e a favor do governo, foram pacíficos e transcorreram sem incidentes.

Fonte: Agência Brasil

Comente com Facebook