Governadores criticam Bolsonaro

Governadores criticaram o pronunciamento de Jair Bolsonaro em rede nacional, na noite desta terça (24), e dizem que o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, perdeu legitimidade no governo.

Renato Casagrande Governador do Espirito Santo

O governador do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB), afirmou que a fala indica que “estamos sem direção”.

“Desconectado da realidade, desconectado da ação do Ministério da Saúde, atrapalha o trabalho dos governadores e menospreza os efeitos da pandemia”, afirmou.

“Os governadores precisam se reunir, estamos sem coordenação. O ministro e os governadores de um lado e o presidente menosprezando a pandemia de outro”, disse.

O discurso, segundo o capixaba, desautoriza ainda o trabalho do ministro Mandetta. “O ministro não tem legitimidade para permanecer mais no ministério”, disse.

Em entrevista ao Bom Dia ES, o Governador do Espirito Santo, reafirmou que Bolsonaro vai contra a orientação dos especialistas, deslegitima o próprio Ministério da Saúde e que o país não tem uma liderança para coordenar os trabalhos contra a doença.

Segundo o Ministério da Saúde, 46 pessoas morreram vítimas da doença e mais de 2.000 foram infectadas.

Governadores do Nordeste

Flávio Dino (PC do B), governador do Maranhão, avalia que Bolsonaro “viu que perdeu a governabilidade”. “Ele mesmo deflagrou o seu próprio processo de impeachment. Está completamente fora da realidade”, afirmou.

Flávio Dino governador do Maranhão

Wellington Dias (PT), do Piauí, gravou um vídeo em que lembrou que uma boa parcela dos infectados pelo coronavírus em outros países estão sendo internados por semanas na UTI, entubados.

Witzel responde

“A manifestação em cadeia em rádio e televisão do presidente da República contraria as determinações da Organização Mundial de Saúde [OMS]. Nós seguiremos firmes seguindo as orientações médicas. Eu peço a você, por favor, que fique em casa”, disse Witzel….

Caiado afirma presidente não pode ‘lavar as mãos’

Caiado critica pronunciamento de Bolsonaro sobre coronavírus e diz que presidente não pode ‘lavar as mãos’

O governado de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), criticou nesta quarta-feira (25), o pronunciamento do presidente da República, Jair Bolsonaro, onde ele prega a “volta à normalidade” e o fim do “confinamento em massa”, instituído para evitar a disseminação do coronavírus.

Em pronunciamento, Caiado afirmou que Goiás seguirá os decretos assinados por ele para conter a pandemia e que não admite a postura de Bolsonaro de “lavar as mãos” para a situação do coronavírus. O governador pede que o presidente assuma sua responsabilidade em relação ao atual cenário.

“Fui aliado de primeira hora, durante todo tempo [de Bolsonaro], mas não posso admitir que venha agora um presidente da República lavar as mãos e responsabilizar outras pessoas por um colapso econômico ou pela falência de empregos que amanhã venha a acontecer. Não faz parte da postura de um governante”, disse Caiado.

“Um estadista tem que ter a coragem de assumir as falhas. Não tem de responsabilizar as outras pessoas. Assuma a sua parcela”, completou.

Comente com Facebook