Focos de queimadas na Amazônia estão abaixo da média em setembro

Foto: Joao Laet / AFP

O ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, apresentou nesta segunda-feira (23) um balanço da atuação das Forças Armadas no combate às queimadas na Amazônia. Ele afirmou que a “preocupação existe”, mas ressaltou que o mês de setembro está com focos de queimadas abaixo da média.

De acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), a média histórica para os 22 primeiros dias do mês no bioma Amazônia é de 33.426 focos, sendo que até agora houve 17.095 focos. A série do Programa Queimadas do Inpe considera dados desde 1998.

Focos de queimadas na Amazônia até 22 de setembro — Foto: Arte/G1

“Aquele alarde que foi feito, de a Amazônia em chamas, não foi bem assim, mas a preocupação existe. Por isso foram chamadas as Forças Armadas”, disse o ministro.

Agosto acima da média

Em agosto, mês no qual os focos aumentaram na Amazônia e levaram o governo a convocar as Forças Armadas, houve mais de 30 mil focos de queimadas no bioma Amazônia, um aumento de 196% em relação ao mesmo mês do ano anterior. Foi também o maior número observado para o mês desde 2010, e acima da média histórica para o mês, que é de 25.853 focos.

Em setembro, o ritmo de queimadas apresenta tendência de diminuição na Amazônia. Nas primeiras semanas do mês, o Pantanal registrou mais focos de queimadas, assim como no Cerrado passou a ter uma maior participação no total de focos ativos.

Focos no Brasil

De 1º de janeiro até o dia 22 de setembro de 2019, o bioma Amazônia acumula 63.922 focos de queimadas, contra 73.294 nas médias históricas acumuladas para o mesmo período.

O mesmo também ocorre se considerarmos todos os biomas. O número está agora abaixo da média acumulada até o dia 22 setembro no Brasil: tivemos até aqui 136.797 focos, contra média acumulada de 148.560.

Fonte: G1

Comente com Facebook