Ex-jogador morre atropelado por menores de idade em SP

José Moraes Lucas

Em Mongaguá, no litoral de São Paulo, o ex-jogador de futebol José Moraes Lucas, de 61 anos, que ficou gravemente ferido após ser atropelado por adolescentes em duas motocicletas, morreu de insuficiência cardíaca e respiratória.

Ele estava na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) desde o dia 20 de outubro, data do acidente.

O atropelamento ocorreu na Rodovia Padre Manoel da Nóbrega, no período da tarde, quando a vítima voltava de bicicleta da visita que fazia às filhas. Ele retornava para Cubatão (SP) quando, perto da curva do S, foi atingido por duas motos com quatro adolescentes. O idoso teve traumatismo craniano e sofreu um corte em cima do olho com extensão até a cabeça.

De acordo com informações divulgadas por familiares, o velório começou às 8h30 desta terça (03) no Cemitério Municipal de Cubatão. Já o enterro está marcado para o mesmo local, a partir das 16h.

José era ex-jogador de futebol e atuou como zagueiro da Portuguesa Santista entre os anos 1972 e 1978, na principal divisão do Campeonato Paulista. Na época, ele disputava a divisão especial, a mesma de times como Santos, Corinthians, São Paulo e Palmeiras. Ainda durante esse tempo, foi emprestado para Blumenau Esporte Clube, em Santa Catarina.

Ao sair do Portuguesa, foi para o Jabaquara Atlético Clube, em Santos, e mais tarde se tornou secretário de esportes de Cubatão.

“Ele era um jogador sério, que gostava muito de treinar. Era um dos primeiros a entrar no treino e o último a sair. Dentro do campo, era um cara que respeitava todo mundo e que todo mundo gostava”, conta o ex-jogador e amigo da vítima, Waldir Dias.

O ex-atleta ainda relata que José sempre pedalava e fazia grandes percursos de bicicleta.

Relembre o caso

O acidente ocorreu por volta das 15h, mas a família só foi saber na noite do dia seguinte. A vítima foi socorrida pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e levada ao Hospital Irmã Dulce. Depois, José foi transferido ao Hospital Municipal de Cubatão, onde permaneceu internado até a data da morte.

Os médicos já haviam tirado a sedação nos últimos dias e orientavam os familiares a conversarem com José.

Na época do acidente, a Secretaria de Segurança Pública informou à reportagem que o caso foi registrado na Delegacia Sede de Mongaguá como ato infracional de lesão corporal culposa na direção de veículo automotor e ato infracional de dirigir sem habilitação. Os menores foram ouvidos e encaminhados à Vara da Infância e Juventude.

Com informações de: G1

Comente com Facebook