Candidata a deputada em SP recebe apenas seu voto

Thamires Oliveira (Agir), de 33 anos, foi a única pessoa no estado de São Paulo a receber apenas um voto: o dela. Ela disputava uma vaga para deputada estadual.

“Não tive nada de voto. É vergonhoso. Imaginei da seguinte forma: ‘Creio mesmo se eu ganhasse uma suplência, seria muito mais fácil para ajudar a comunidade, tanto minha mãe, que é assistente social, como a comunidade’. Foi uma campanha ‘presa’. Meus familiares estavam com outras pessoas”, detalhou, sobre os votos de parentes.

Ou seja, nem mesmo a família de Thamires votou nela.

“Recebi R$ 5 mil uma semana antes da votação. O partido em si não deu nenhuma assistência. Tenho até alguns amigos que se candidataram também. Não tinha muito o que fazer e voluntariamente ninguém quer trabalhar”, afirmou.

Outros candidatos do partido criaram um grupo num aplicativo de mensagens justamente para reclamar da falta de repasses do partido.

A candidata contratou duas pessoas e montou uma pequena equipe para atuar na região em que mora. O trabalho foi “de porta em porta”, segundo ela conta.

“Não escolhi me candidatar”, Thamires conta que um amigo a convidou para conhecer o partido meses antes das eleições. Com a proposta de ser mais uma mulher na política, ela se filiou e entregou a documentação.

Sobre não receber votos nem das pessoas que trabalham na campanha, a vendedora argumenta que as meninas atuaram também para outros candidatos.

Fonte: g1

Comente com Facebook