Avaliação do ensino médio brasileiro melhora, mas segue distante da meta

Apesar de ter melhorado na avaliação do Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica), o ensino médio brasileiro não atingiu a meta estabelecida para 2019 —e segue distante dela.

Os dados, divulgados hoje pelo Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), mostram que, em comparação com 2017, o Ideb do ensino médio no Brasil foi de 3,8 para 4,2 —numa escala de zero a 10. O valor, no entanto, ainda fica longe do Ideb proposto para 2019, de 5,0.

O resultado inclui tanto a rede pública como a rede privada de ensino. No entanto, as escolas técnicas estaduais, que oferecem ensino médio profissionalizante, não fazem parte da avaliação.

Uma simulação apresentada pelo Inep indica que apenas os estados do Ceará, Rio Grande do Norte e Pernambuco teriam ganhos nos seus resultados do Ideb com a inclusão dessas escolas de ensino médio integrado na avaliação.

Quanto mais alto o número do Ideb —principal indicador de qualidade da educação básica no país—, melhor o resultado. No entanto, antes de chegar a 3,8 em 2017, o Ideb do ensino médio brasileiro ficou estagnado em 3,7 de 2011 a 2015.

Dois tipos de dados compõe o Ideb: as taxas de aprovação, fornecidas pelo Censo Escolar, e o desempenho dos alunos no Saeb (Sistema de Avaliação da Educação Básica), que avalia o conhecimento em língua portuguesa e matemática.

O indicador é divulgado a cada dois anos e traz uma radiografia da qualidade dos anos iniciais (1º ao 5º ano) e finais (6º ao 9º ano) do ensino fundamental, assim como do ensino médio.

Desempenho dos estados

Entre as 27 unidades federativas do país, apenas Goiás alcançou a meta estabelecida para o estado na etapa do ensino médio, considerando as redes pública e privada, que era de 4,8. O valor é também o alcançado pelo Espírito Santo, cuja meta era 5,3. Os dois estados apresentam o melhor desempenho no ensino médio no país, segundo o Ideb.

No Saeb, Goiás e Espírito Santo apresentaram melhora no desempenho dos alunos desta etapa do ensino tanto em matemática como em português.

Considerando apenas a rede estadual, responsável por mais de 97% das matrículas de ensino médio na rede pública brasileira, o resultado do Ideb subiu pela primeira vez desde 2015, chegando a 3,9. O valor, no entanto, também fica distante da meta estabelecida para 2019 (de 4,6).

No ensino médio público estadual, apenas Pernambuco e Goiás atingiram a meta do Ideb para 2019. No primeiro, o Ideb do ensino médio foi de 4,0, em 2017, para 4,4 em 2019. Apenas 0,1 ponto acima da meta estabelecida para o estado.

Já em Goiás, houve crescimento de 4,3, em 2017, para 4,7 em 2019 -0,3 ponto acima da meta para aquele ano para o estado.

O desempenho da rede privada no ensino médio, que chegou a 6,0, é 2,1 pontos superior ao obtido pela rede estadual. Mas o resultado também não chegou aos objetivos de qualidade esperados, já que a meta do Ideb para 2019 para o ensino médio na rede particular era de 6,8.

Em nenhum estado a rede particular alcançou a meta estabelecida pelo Ideb para o ensino médio. A rede privada participa da avaliação por adesão.

Ensino fundamental

A situação também preocupa nos anos finais do ensino fundamental, etapa em que o país tampouco atingiu a meta de qualidade esperada pelo Ideb. O indicador foi de 4,7 na edição anterior para 4,9 em 2019, sem chegar à meta de 5,2.

Das 27 unidades da federação, apenas 7 estados cumpriram os objetivos estabelecidos pelo Ideb para os anos finais do ensino fundamental: Amazonas, Piauí, Ceará, Pernambuco, Alagoas, Paraná e Goiás.

Por outro lado, Santa Catarina e Mato Grosso tiveram queda, passando de 5,2 para 5,1 e de 4,9 para 4,8, respectivamente.

Assim como em edições anteriores, o Brasil só consegue atingir os objetivos do Ideb nos anos iniciais do ensino fundamental.

Para esta etapa de ensino, a meta para 2019 era de 5,7, e o país chegou a 5,9. Apesar desse resultado, cinco estados não conseguiram cumprir suas metas: Amapá, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Distrito Federal.

Inep faz avaliação positiva

O presidente do Inep, Alexandre Lopes, afirmou avaliar positivamente os resultados do Ideb com melhora em índices. Em especial no ensino médio, embora este não tenha atingido a meta proposta. No entanto, disse ser preciso acelerar esse crescimento.

“Devemos focar nos anos finais do ensino fundamental. Eles têm tido uma melhora, mas não tão expressiva quanto a do ensino médio”, afirmou.

Fonte: UOL

Comente com Facebook