Operação contra tráfico internacional desativa rede de postos de combustíveis na Bahia

PF cumpre mandados no Recôncavo Baiano em operação contra fraudes à previdência
(FOTO: POLÍCIA FEDERAL/DIVULGAÇÃO/JC)

Na manhã desta quinta-feira (18), uma operação contra o tráfico internacional desativou uma rede de postos de gasolina na Bahia.

Na Operação Calvary, feita em conjunto pela Polícia Federal (PF) e Receita Federal, com apoio da Europol, sete mandados de busca e apreensão são cumpridos.

A ação visa desarticular uma quadrilha internacional de tráfico de cocaína, com atuação em diversos atos de lavagem de dinheiro.

A operação foi batizada de “Calvary” em alusão ao cemitério no qual Don Corleone, do filme “O Poderoso Chefão I”, foi sepultado. Além disso, também é uma referência ao líder da organização criminosa investigada, conhecido com “Don”. 

Entre as medidas cautelares feitas pelas autoridades, constam a interdição de uma rede de postos de combustíveis na Bahia e o sequestro de um navio de longo curso, usado pelo grupo investigado no transporte transoceânico de cocaína. Ainda não se sabe o nome da rede de postos.

De acordo com a ação, a estimativa é que os bens apreendidos/sequestrados durante a investigação passem de R$ 50 milhões. Cerca de 150 policiais federais e oito servidores da Receita Federal participam da Operação Calvary.

Ao todo, as autoridades cumprem 36 mandados de busca e apreensão, 6 mandados de prisão preventiva, 4 mandados de prisão temporária e 7 mandados de interdição de atividade econômica nos Estados de São Paulo, Bahia, Mato Grosso, Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul.

A 6ª Vara Federal de São Paulo/SP expediu os mandados. Ademais, eles também englobam o sequestro de 28 bens imóveis (localizados em quatro Estados), diversos veículos (incluindo carros avaliados em mais de R$ 600 mil), e valores custodiados em contas bancárias de 53 pessoas físicas e jurídicas (incluindo contas abertas em Portugal e na Bélgica).

Durante as investigações, ainda foram determinados afastamentos do sigilo bancário e fiscal de 66 pessoas, incluindo 39 pessoas jurídicas suspeitas de serem utilizadas pelos investigados para prática de lavagem de dinheiro.

Fonte: Da Redação Namidia News com informações de Bahia Notícias

Comente com Facebook