Como as redes de ensino da Bahia podem trabalhar com a aprendizagem remota

Conteúdo desenvolvido pelo CIEB é voltado para gestores públicos e traz um passo a passo sobre como incorporar novas estratégias de ensino e aprendizagem durante e após a pandemia.

A pesquisa TIC Educação 2019 aponta que 39% dos alunos de escolas públicas não têm acesso a computadores ou tablets em casa. No entanto, os dados são do CGI.br (Comitê Gestor da Internet no Brasil) e explicam os desafios enfrentados pelas secretarias de Educação para dar continuidade às aulas neste período de suspensão de aulas presenciais – desafios que serão mantidos após a pandemia. 

Pensando nisso, o CIEB (Centro de Inovação para a Educação Brasileira) desenvolveu o Guia de Implementação de Estratégias de Aprendizagem Remota. Portanto, trata-se de um passo a passo detalhado sobre como colocar em prática sete possibilidades de ensino e a aprendizagem remotos.  

“São estratégias de aprendizagem fundamentais tanto para esse período de isolamento social como para a fase pós-pandemia. Além disso, quando as escolas reabrirem, será preciso fazer uma recuperação dos conteúdos e das competências que não puderam ser trabalhados, e a adoção do ensino híbrido será uma das formas de alcançar esse objetivo”, diz Lúcia Dellagnelo, diretora-presidente do CIEB. 

No material disponibilizado gratuitamente pela internet, as Estratégias de Aprendizagem Remota foram agrupadas em quatro grandes grupos para facilitar a compreensão:
  1. Rádio e TV:

Transmissão de aulas e conteúdos educacionais via televisão

Transmissão de aulas e conteúdos educacionais via rádio

  1. Materiais impressos:

Envio de material impresso com conteúdos educacionais

  1. Videoaulas pelas redes sociais:

Aulas ao vivo e on-line transmitidas por redes sociais

Videoaulas gravadas e disponibilizadas em redes sociais

  1. Conteúdos em plataformas digitais:

Disponibilização de plataformas de ensino on-line

Envio de conteúdos digitais em ferramentas on-line

Para cada categoria, o guia traz orientações minuciosas sobre todas as etapas de implantação, começando pelos aspectos práticos de checagem da infraestrutura e de organização de equipes, até chegar aos pontos mais críticos, como o desafio de formar professores, acompanhar a aprendizagem dos alunos e testar a eficácia do plano em si.

Fonte: Namidia News

Comente com Facebook