Campanha contra exploração infantil tem participação de Brown e crianças do Ilê

Carlinhos Brown e as crianças do Ilê Ayê participaram do evento

Durante o lançamento da campanha de mobilização nacional pelo combate à exploração sexual de crianças e adolescentes durante o Carnaval 2012, nesta quinta,16, na Fundação Luís Eduardo Magalhães (Flem), no Centro Administrativo, a ministra da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Maria do Rosário, elogiou o trabalho feito pelo Centro de Defesa da Criança e do Adolescente Yves de Roussan (Cedeca-BA).

Segundo a ministra, a entidade foi o exemplo para o movimento nacional. “A luta do Cedeca incendiou o Brasil. Iniciamos essa campanha na Bahia em homenagem às entidades civis e governamentais pelo trabalho que vem sendo feito”, ela ressaltou.

Com o slogan “liga da proteção”, o evento contou com a presença da também ministra da  Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Luiza Bairros; do vice-governador do Estado, Otto Alencar; de promotores de Justiça, entre outras autoridades.

De acordo com Maria do Rosário, 16 milhões de brasileiros ainda estão abaixo da linha da pobreza, e o indicativo está intimamente ligado aos maus-tratos causados a crianças e adolescentes. “A vulnerabilidade tem gênero e etnia: mulheres e meninas negras do Brasil”, apontou.

Brown e crianças – Presente ao evento, o músico Carlinhos Brown falou da participação na campanha e disse que a exploração sexual não é um problema só do turismo, mas também interno. “A minha participação como artista não deve influenciar na campanha e, sim, como cidadão”, disse Brown, que fez fotos com crianças do projeto Malezinho, que atende 70 crianças da comunidade da Baixa do Soronha, em Itapuã, com aulas de dança, percussão, teatro e inglês. O grupo mirim abriu a solenidade com uma apresentação de dança afro.

Durante o Carnaval, 520 profissionais distribuem, nos três circuitos da folia, hotéis, portos, aeroportos e rodoviária, material informativo sobre como denunciar a violência sexual e o trabalho infantil, por meio do Disque 100.

 

A TARDE

Comente com Facebook