Cabeleireiro é atingido por facadas e pedradas dentro de casa na Bahia

Um homem de 29 anos está em estado grave após ser atingido por golpes de faca e pedradas, dentro da casa onde mora, no bairro Vila Ruy Barbosa, em Salvador, segundo informações da Polícia Civil.

A família do cabeleireiro Rauan Pereira dos Santos suspeita de crime de homofobia. 

O caso aconteceu na madrugada de terça-feira (20). De acordo com a polícia, a vítima foi levada para o Hospital Geral do Estado (HGE).

A polícia informou que a perícia já foi realizada e aguarda os laudos do exame.

O caso é investigado pela 3ª Delegacia de Bonfim. 

De acordo com informações da família, a vítima foi atingida por duas facadas nas costas e levou várias pancadas na cabeça. A família disse que Rauan teve todos os ossos do rosto quebrados e o boletim médico apontou sequelas em uma parte importante do cérebro. 

“O médico falou comigo ontem que a pancada foi em áreas muito nobres do cérebro. Ele pode ficar sem andar, sem falar, ou até mesmo em cima da cama, em estado vegetativo”, contou Naiara Pereira, irmã da vítima.

Conforme informações da polícia, dois suspeitos de cometerem o crime, que ainda não foram identificados, roubaram um celular, uma quantia em dinheiro e a moto da vítima. Por enquanto, a polícia trabalha com a hipótese de assalto. 

Entretanto, os familiares contaram que acreditam que as agressões contra o rapaz, que é homossexual, podem estar ligadas a crime de homofobia. 

“Meu irmão é uma pessoa carismática, uma pessoa amada, não tem briga com ninguém. Uma pessoa do bem e alguém faz uma coisa dessa, tentou tirar a vida de meu irmão. Eles foram na intenção de matar, levaram uma faca. Tinha uma faca no local do crime que não era dele, eu conheço todos os utensílios da casa do meu irmão”, disse Naiara. 

Os vizinhos dele ouviram muitos gritos durante o ocorrido. Segundo a vizinhança, não foi a primeira vez que os dois suspeitos estiveram no local. 

Ainda de acordo com a família, Rauan estava com viagem marcada para São Paulo, onde pretende morar. 

A família do cabeleireiro fez uma campanha nas redes sociais, onde divulga o caso, em busca de justiça. 

A Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social da Bahia (SJDHDS) divulgou uma nota de repúdio sobre o caso. Nela, o órgão conta que a coordenação LGBT da Superintendência de Direitos Humanos está estabelecendo contato com a família por meia da irmã da vítima.

 secretaria informou que acompanha a família e colocou a equipe à disposição para dar auxílio neste momento. A SJDHDS também está em contato com a Superintendência de Prevenção à Violência da Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA) e com o gabinete do delegado geral para acompanhar o caso, além de ter mantido contato com a 3ª Delegacia do Bonfim. 

A SJDHDS ressaltou que desde junho de 2019, por decisão do Supremo Tribunal Federal, homofobia e transfobia são considerados crimes.

Os ministros do Supremo determinaram que a conduta passe a ser punida pela Lei de Racismo (7716/89), que hoje prevê crimes de discriminação ou preconceito.

Fonte: G1 BA/ TV Bahia

Comente com Facebook